Página Principal > Psiquiatria > Benzodiazepínicos estão relacionados com maior risco de morte?
pilulas de medicamento saindo da caixa

Benzodiazepínicos estão relacionados com maior risco de morte?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Os benzodiazepínicos (diazepam, alprazolam, midazolam, etc) são medicamentos hipnóticos e ansiolíticos bastante utilizados na prática clínica. Usualmente são prescritos no tratamento de quadros agudos de ansiedade, transtorno de humor, insônia, crises convulsivas e outras condições relacionadas ao sistema nervoso central.

Evidências da literatura sugerem um aumento no risco de mortalidade por todas as causas entre adultos que utilizam benzodiazepínicos, mesmo por curta duração. As associações positivas entre essa classe terapêutica e a mortalidade têm implicações importantes para a saúde pública devido ao grande número de pessoas que utilizam estes medicamentos.

Neste contexto, no último mês, um estudo observacional retrospectivo publicado no British Medical Journal (BMJ) avaliou o risco de mortalidade por todas as causas associadas ao uso e não uso de benzodiazepina em adultos.

Benzodiazepínicos e mortalidade

O estudo contemplou uma amostra de 1.686.410 pacientes que iniciaram benzodiazepina e 1.930.159 pacientes que não iniciaram, mas realizaram uma visita médica. O alprazolam foi o agente mais comumente prescrito entre os benzodiazepínicos de curta ação (47,2%) e o diazepam foi o mais comum entre os de ação prolongada (87,7%).

Em comparação com os pacientes que não iniciaram o uso de benzodiazepínicos, aqueles que fizeram eram mais velhos, mais frequentemente do sexo feminino e geralmente apresentavam maior carga de comorbidades. Adicionalmente, os pacientes em uso de benzodiazepina apresentaram maior probabilidade de apresentar história de hipertensão, doença cardíaca isquêmica, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral, hiperlipidemia, diabetes, doença renal e câncer.

No total, 8.945 mortes ocorreram entre os pacientes que utilizaram benzodiazepina e 5.347 entre os não iniciadores em um período de observação de seis meses. Após o pareamento nos escores de propensão (1:1), não foi observada diferença estatística na ocorrência de mortalidade entre os pacientes que iniciaram benzodiazepina em comparação com os que não fizeram uso do medicamento em um período de seguimento de seis meses.

Dessa forma, este estudo observacional em uma população de larga escala sugeriu que não há aumento no risco de mortalidade por todas as causas associadas ao uso de benzodiazepínicos.

LEIA MAIS: Desmame de benzodiazepínicos – o que precisamos saber

Autora:

Juliana Festa

Graduação em Biomédica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, com aperfeiçoamento em Oncologia no Instituto Nacional de Câncer – INCA, pós-graduação em Tecnologia Industrial Farmacêutica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e mestrado pelo Programa de Farmacologia e Química Medicinal do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. Atualmente, faz parte do Programa de Doutorado em Ciência Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e atua como Analista de Projetos Sênior de uma consultoria em saúde.

Referências:

  • Patorno Elisabetta, Glynn Robert J, Levin Raisa, Lee Moa P, Huybrechts Krista F. Benzodiazepines and risk of all cause mortality in adults: cohort study. BMJ 2017; 358 :j2941

2 Comentários

  1. Agradeco a informação

    • Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Marcelo! Sou Ana Carolina, médica e colunista da Pebmed. Ficamos felizes com seu retorno e lhe convidamos a continuar acompanhando e participando do nosso portal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.