Página Principal > Cardiologia > Betabloqueadores x mortalidade em pacientes diabéticos
estatinas betabloqueadores

Betabloqueadores x mortalidade em pacientes diabéticos

Tempo de leitura: 2 minutos.

Dados recentes mostram que aproximadamente 150 milhões de pessoas têm diabetes mellitus (DM) em todo o mundo e que este número pode dobrar até 2025. O DM está associado com maior risco de doenças cardíacas, incluindo doença cardíaca coronariana (DCC) e insuficiência cardíaca congestiva (ICC). Betabloqueadores são recomendados em muitas diretrizes como terapia de primeira linha em pacientes com DCC/ICC, porém a eficácia em diabéticos com essas doenças permanece desconhecida. Foi publicado recentemente um artigo na Mayo Clinic que avaliou a relação entre betabloqueadores e mortalidade em pacientes com ou sem diabetes. O uso de betabloqueadores aumenta risco de mortalidade?

Sobre os betabloqueadores

Betabloqueadores agem diretamente no coração para reduzir a frequência cardíaca e a contratilidade, levando a diminuição da demanda miocárdica de oxigênio, redução da angina e melhora no limiar isquêmico.

O mecanismo de ação consiste em antagonismo competitivo do receptor beta, diminuindo os níveis celulares de monofosfato de adenosina cíclico (cAMP). O bloqueio seletivo beta-1 resulta em contratilidade miocárdica deprimida, diminuição da automaticidade nas células marcapasso e diminuição da velocidade de condução através do nodo atrioventricular.

Estudos recentes têm sugerido que os betabloqueadores podem prevenir ou diminuir os efeitos adversos após o ocorrência de hipoglicemia grave. No entanto, esses resultados não necessariamente significam que o uso é eficaz em diabéticos, já que os principais efeitos adversos incluem o risco potencial da ocorrência de hipoglicemia grave e ganho de peso.

LEIA MAIS: Betabloqueadores – particularidades para as quais não nos atentamos no dia a dia

Resultados do estudo

Os autores fizeram um estudo prospectivo de coorte, com a base do US National Health and Nutrition Examination Survey 1999-2010. Foram incluídos 2.840 participantes diabéticos e 14.684 participantes não-diabéticos. Alguns resultados interessantes foram:

  • Quando comparado com participantes diabéticos que não usam betabloqueadores, a mortalidade por todas as causas foi significativamente maior nos diabéticos usando qualquer tipo de  betabloqueador.
  • A mortalidade por todas as causas em participantes diabéticos com doença arterial coronariana (DAC) foi significativamente maior naqueles em uso de betabloqueadores, comparados com aqueles que não usavam. Por outro lado, em participantes não diabéticos com doença arterial coronariana, a mortalidade foi significativamente menor naqueles que receberam betabloqueadores.

É importante ressaltar que o estudo teve algumas limitações, como falta de dados na base utilizada, que pode ter influenciado os resultados. Além disso, foi observacional, necessitando de ensaio clínico randomizado para complementar os resultados.

Tenha sempre condutas atualizadas na sua mão! Baixe gratuitamente o Whitebook.

Autora:

Dayanna de Oliveira Quintanilha

Médica no Hospital Naval Marcílio Dias ⦁ Residência em Clínica Médica na UFF ⦁ Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Contato: dayquintan@hotmail.com

Referências:

Um comentário

  1. A historia final dos Beta bloqueadores vae demorar para ser contada; ainda hoje vi uma meta analise relatando que a unica droga que diminuiu a mortalidade de pacientes IC com FE preservada foi o BB (A meta-analysis showed that beta-blockers were the only drug class that reduced all-cause mortality risk relative to placebo. The findings were similar for cardiovascular mortality. Zheng SL, et al. Heart. 2018;104(5):407-415.) Não li os trabalhos que compoem essa meta analise mas é provavel que houvessem muitos pacientes diabeticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.