Cardiologia

Boas práticas em cardiologia e urgências cardiovasculares são implementadas em hospitais e UPAs

Tempo de leitura: 3 min.

Para reduzir os índices de mortalidade de doenças cardiovasculares no país, o Ministério da Saúde desenvolveu um programa de boas práticas na atenção à cardiologia e urgências cardiovasculares nos hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) do país.

O programa é oferecido em 150 unidades de pronto-atendimento 24h, além de 15 hospitais de todas as regiões brasileiras em parceria com Hospital do Coração (Hcor), em São Paulo.

As capacitações são destinadas a todos os profissionais envolvidos no atendimento ao paciente com doenças cardiovasculares, como médicos, enfermeiros e fisioterapeutas.

“A pasta trabalha para qualificar e melhorar os serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O apoio à implantação da Linha de Atenção em Urgências Cardiovasculares visa garantir que o paciente com infarto agudo do miocárdio com supra de ST (IAM c/SST) receba a terapia de reperfusão em tempo adequado, com acesso à terapia intensiva e ao tratamento e estratificação complementares”, explicou a diretora do Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e Urgência do Ministério da Saúde, Adriana Melo Teixeira, em entrevista ao portal do Ministério da Saúde.

Leia também: OPAS: Novas metas para reduzir o consumo de sal e ajudar a prevenir doenças cardiovasculares são recomendadas

Saiba mais sobre o projeto

O projeto é dividido em dois núcleos com duração de 13 meses cada:

  1. Pré-hospitalar realizado em 150 UPAs 24h;
  2. Quinze hospitais de todas as regiões do país.

Ambos visam apoiar o monitoramento da prática clínica em urgências cardiovasculares e a implementação de diretrizes assistenciais em síndrome coronariana aguda.

No Triênio 2021-2023, o núcleo de eletrocardiograma do projeto vai beneficiar as UPAs 24h da rede de atenção às urgências. As instituições hospitalares foram selecionadas geograficamente com o objetivo de cobrir os vazios assistenciais do país.

Benefícios ao SUS

O projeto impacta diretamente na estruturação do SUS e nos pacientes atendidos, o que reflete na adesão ao tratamento de infarto agudo do miocárdio preconizado pelas principais diretrizes e na melhora nos tempos de atendimento inicial, mensurados por três indicadores:

  1. Porta-ECG: momento de chegada do paciente à UPA até a realização do eletrocardiograma;
  2. Porta-agulha: tempo de chegada do paciente até o recebimento do trombolítico;
  3. Porta-balão: tempo de chegada do paciente até a realização da angioplastia.

Com isso, as unidades hospitalares e as UPAs 24h ganham em termos de redução de internação, morbidade, mortalidade e até mesmo custos.

Além do acompanhamento para compreender a situação de cada unidade, os gestores realizam reuniões mensais com relatórios para as UPAs e hospitais públicos, e seus respectivos gestores e sessões de aprendizagem virtual através de aulas online ao vivo.

Veja mais: AHA 2021: consumo de café tem relação com arritmias cardíacas e outros fatores?

A líder do projeto e cardiologista do Hcor, Camila Rocon, ressaltou que o infarto agudo do miocárdio pode estar relacionado à insuficiência cardíaca, aparecimento de arritmias e AVC, o que eleva as chances de internação e risco de óbito.

“Atender precocemente esses pacientes resulta em melhores resultados, menor morbidade e menor mortalidade para esses pacientes. Tempo é músculo, como se diz na cardiologia. A área que deixa de ser irrigada no coração pode morrer e, se não for abordada precocemente, aquela área não volta a funcionar e o paciente poderá ter muitas complicações”, concluiu.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Mediastinite fibrosante: o que precisamos saber

A mediastinite fibrosante (MF) é uma doença rara, caracterizada pela proliferação de fibrose localmente invasiva…

10 horas atrás

Check-up Semanal: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e mais!

No check-up semanal de hoje, confira: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e…

11 horas atrás

Como aplicar uma evidência na prática: decisão médica compartilhada

A nova edição da Revista PEBMED abordará Medicina Baseada em Evidências. Aqui, comentamos sobre o uso…

12 horas atrás

Critérios para insuficiência hepática aguda pediátrica: Orientações baseadas a partir do painel PODIUM 

A insuficiência hepática aguda é uma síndrome complexa, grave e rara em crianças e apresenta…

14 horas atrás

Existe algum grupo de maior risco entre os pacientes com score de cálcio 0 na tomografia de coronárias?

O score de cálcio 0 é associado com baixo risco de eventos cardiovasculares e pode…

15 horas atrás

Nutrição Enteral na UTI: 10 dicas para a prática clínica

A importância da nutrição no paciente grave tem sido cada vez mais reconhecida, especialmente nos…

16 horas atrás