Infectologia

Butantan apresenta números de eficácia da vacina Coronovac

Tempo de leitura: 2 min.

No início da tarde de hoje, 07, a diretoria do Instituto Butantan, em conjunto com o governo do estado de São Paulo, apresentou os resultados de eficácia da vacina Coronovac, produzida em parceria com o laboratório chines Sinovac.

Adiada por duas vezes, nos dias 15 e 23 de dezembro, a divulgação era aguardada com ansiedade e trouxe boas notícias para os brasileiros.

Eficácia da vacina Coronovac

A vacina produzida pelo Butantan apresentou os seguintes valores:

  • Casos graves – 100% de eficácia
  • Casos moderados – 100% de eficácia
  • Casos de internação – 100% de eficácia
  • Casos com atendimento ambulatorial – 78% de eficácia
  • Casos leves – 78% de eficácia

Participaram 12.476 profissionais de saúde que estão atuando diretamente na linha de frente dos casos de Covid-19, em oito estados diferentes, divididos em dezesseis centros de pesquisa.

Dimas Covas, diretor do Butantan, começou agradecendo a todos os profissionais, voluntários e centros de estudos envolvidos e disse que este era o estudo mais detalhado entregue até o momento, uma vez que, de acordo com ele, no caso da Turquia os voluntários eram cidadãos comuns, sem acesso direto ao vírus. Ele reforçou que nenhum dos voluntários que tiveram Covid-19 durante os testes precisou de internação e que a vacina pode ser considerada uma das mais seguras do mundo hoje.

Sergio Cimerman, do corpo clínico do Instituto de Infectologia Emilio Ribas, ressaltou a importância de uma vacina produzida no Brasil, o que facilita a logística. Também afirmou que há capacidade de produção de 1 milhão de doses por dia e que a vacina, feita do vírus inativado, vai ser aplicada em duas doses.

O infectologista do Hospital das Clínicas e integrante do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, Esper Kallas, ressaltou que o estabelecimento de uma resposta imune protetora leva tempo e que o problema ainda não está resolvido, relembrando a população a não descartar as medidas não farmacológicas.

O Instituto também realizou no período da manhã uma reunião com a Anvisa para uma pré-submissão da vacina apresentando os dados referentes a eficácia e segurança, mas ainda não fez o pedido de uso emergencial para o órgão, o que deve ser feito até a próxima sexta-feira, dia 08.

Governo Federal afirma ter comprado estoque de Coronovac

No final da tarde, também em coletiva, o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, confirmou a assinatura de um contrato de fornecimento de cem milhões de doses de Coronovac e disse que todas as doses produzidas no Butantan serão incorporadas ao Plano Nacional de Vacinação.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

Diazepam intrarretal após cirurgias de reconstrução pélvica

Foi publicado um estudo com a finalidade então de avaliar o uso de diazepam supositórios…

6 horas atrás

Governo Federal sanciona lei que cria bula digital e muda sistema de rastrear medicamentos

O Governo Federal sancionou a lei que obriga todo medicamento comercializado no Brasil a ter…

1 dia atrás

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

2 dias atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

2 dias atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

2 dias atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

2 dias atrás