Butantan testa tratamento contra Alzheimer com proteína modificada de merluza

Os primeiros achados da pesquisa sobre o possível novo tratamento foram publicados no períódico ‘Frontiers in Pharmacology’.

A parceria do Instituto Butantan com a Universidade São Francisco (USF) está gerando importantes frutos nos avanços no tratamento da doença de Azheimer.

De acordo com um estudo publicado na Frontiers in Pharmacology, as instituições desenvolveram um peptídeo modificado com origem de uma proteína do peixe merluza (Merluccius productus) que foi capaz de inibir a BACE-1, principal enzima que causa a doença.

Novos exames disponíveis no Brasil podem antecipar diagnóstico de Alzheimer

Novos exames disponíveis no Brasil podem antecipar diagnóstico de Alzheimer

Os detalhes

A bióloga Juliana Mozer Sciani, orientadora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Toxinologia do Butantan e pesquisadora da Universidade São Francisco, afirma que “o peptídeo reduziu a quantidade de beta-amiloides, proteínas tóxicas responsáveis pela doença, mostrando-se um bom candidato para tratamento”.

Após ensaios em animais saudáveis feitos no Butantan, o peptídeo modificado mostrou segurança e alta estabilidade, além da ausência de toxicidade. O composto chegou ao cérebro dos animais cerca de duas horas após sua administração, passando pelo pulmão, pâncreas, baço e fígado.

De acordo com o Butantan, um outro importante feito é o fato da substância não ter se acumulado em nenhum órgão depois de seis horas, ele se concentrou no rim para ser expelido como forma de urina e todos os outros órgãos seguiram intactos e sem sinais de danos.

Próximos passos

O Instituto Butantan destaca que ainda há bastante a ser feito antes da testagem em humanos. Os pesquisadores agora irão fazer testes como um tratamento em modelos animais com a doença de Alzheimer para avaliar a eficácia do composto modificado.

Segundo Juliana, o peptídeo desenvolvido possui importantes vantagens sobre outros semelhantes já descritos, sendo estável, tendo ação durante horas e ao ser um inibidor reversível. “Isso significa que ele ‘liga e desliga’ a enzima, enquanto outros a bloqueiam completamente. A inibição total pode causar efeitos adversos, já que essa enzima também tem um papel fisiológico na neuromodulação”.

Este artigo foi revisado pela equipe médica do Portal.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo

Especialidades