Categorias: Oncologia

Câncer de cabeça e pescoço: veja os principais pontos da nova diretriz

Aproximadamente 70% dos casos recentes de câncer de cabeça e pescoço ocorrem em pacientes infectados pelo vírus do papiloma humano (HPV). A American Society for Radiation Oncology (ASTRO) fez uma revisão sistemática da literatura para publicar sua nova diretriz para o manejo da doença.

Para as novas recomendações, a ASTRO procurou responder as seguintes questões fundamentais para o tratamento bem sucedido do paciente:

1) Quando é apropriado adicionar terapia sistêmica à radioterapia definitiva no tratamento do câncer de cabeça e pescoço?
2) Quando é apropriado administrar radioterapia pós-operatória com e sem terapia sistêmica após cirurgia primária?
3) Quando é apropriado usar quimioterapia de indução no tratamento?
4) Quais são os regimes de dose, fracionamento e volume adequados com e sem terapia sistêmica no tratamento?

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

As principais recomendações são:

– A radioterapia definitiva sem terapia sistêmica fornece tratamento adequado para a maioria dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço em estágio inicial.

– Pacientes nos estágios IV e T3 N0-1 tratados com radioterapia definitiva devem receber cisplatina intermitente em altas doses simultâneas.

– Pacientes que recebem radioterapia adjuvante após ressecção cirúrgica para margens cirúrgicas positivas ou extensão extracapsular devem ser tratados com cisplatina intermitente em altas doses simultâneas; indivíduos com fatores de risco e intolerantes à cisplatina não devem receber terapia adjuvante concomitante.

– A quimioterapia de indução não deve ser administrada rotineiramente em pacientes com câncer de cabeça e pescoço.

– Para doentes no estágio IV e estádio T3 N0-1 inelegíveis para a terapia de quimiorradioterapia concomitante, recomenda-se a radioterapia de fracionamento alterado.

A entidade também destaca que “o manejo bem sucedido do câncer de cabeça e pescoço requer a colaboração de oncologistas de radiação, médicos e cirurgiões. Quando dados de alto nível não estiverem disponíveis para a tomada de decisão, as recomendações de tratamento devem incorporar valores e preferências do paciente para chegar à abordagem terapêutica ideal”.

Veja aqui todas as recomendações da ASTRO.

Referências:

  • Radiation therapy for oropharyngeal squamous cell carcinoma: Executive summary of an ASTRO Evidence-Based Clinical Practice Guideline. Sher, David J. et al. Practical Radiation Oncology. DOI: https://dx.doi.org/10.1016/j.prro.2017.02.002
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

6 horas atrás

ACC 2021: sacubitril + valsartana ou ramipril para pacientes com IAM e IC?

O trial PARADISE-MI, apresentado no congresso do ACC 2021, testou a eficácia e segurança do…

7 horas atrás

ACC 2021: aspirina na prevenção secundária – qual a melhor dose?

O estudo ADAPTABLE, apresentado no congresso do ACC 2021, buscou entender se doses maiores de…

12 horas atrás

Whitebook: murcormicose

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a apresentação…

12 horas atrás

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

1 dia atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

1 dia atrás