Oncologia

Câncer de cabeça e pescoço: veja os principais pontos da nova diretriz

Aproximadamente 70% dos casos recentes de câncer de cabeça e pescoço ocorrem em pacientes infectados pelo vírus do papiloma humano (HPV). A American Society for Radiation Oncology (ASTRO) fez uma revisão sistemática da literatura para publicar sua nova diretriz para o manejo da doença.

Para as novas recomendações, a ASTRO procurou responder as seguintes questões fundamentais para o tratamento bem sucedido do paciente:

1) Quando é apropriado adicionar terapia sistêmica à radioterapia definitiva no tratamento do câncer de cabeça e pescoço?
2) Quando é apropriado administrar radioterapia pós-operatória com e sem terapia sistêmica após cirurgia primária?
3) Quando é apropriado usar quimioterapia de indução no tratamento?
4) Quais são os regimes de dose, fracionamento e volume adequados com e sem terapia sistêmica no tratamento?

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

As principais recomendações são:

– A radioterapia definitiva sem terapia sistêmica fornece tratamento adequado para a maioria dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço em estágio inicial.

– Pacientes nos estágios IV e T3 N0-1 tratados com radioterapia definitiva devem receber cisplatina intermitente em altas doses simultâneas.

– Pacientes que recebem radioterapia adjuvante após ressecção cirúrgica para margens cirúrgicas positivas ou extensão extracapsular devem ser tratados com cisplatina intermitente em altas doses simultâneas; indivíduos com fatores de risco e intolerantes à cisplatina não devem receber terapia adjuvante concomitante.

– A quimioterapia de indução não deve ser administrada rotineiramente em pacientes com câncer de cabeça e pescoço.

– Para doentes no estágio IV e estádio T3 N0-1 inelegíveis para a terapia de quimiorradioterapia concomitante, recomenda-se a radioterapia de fracionamento alterado.

A entidade também destaca que “o manejo bem sucedido do câncer de cabeça e pescoço requer a colaboração de oncologistas de radiação, médicos e cirurgiões. Quando dados de alto nível não estiverem disponíveis para a tomada de decisão, as recomendações de tratamento devem incorporar valores e preferências do paciente para chegar à abordagem terapêutica ideal”.

Veja aqui todas as recomendações da ASTRO.

Referências:

  • Radiation therapy for oropharyngeal squamous cell carcinoma: Executive summary of an ASTRO Evidence-Based Clinical Practice Guideline. Sher, David J. et al. Practical Radiation Oncology. DOI: https://dx.doi.org/10.1016/j.prro.2017.02.002
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Diazepam intrarretal após cirurgias de reconstrução pélvica

Foi publicado um estudo com a finalidade então de avaliar o uso de diazepam supositórios…

16 horas atrás

Governo Federal sanciona lei que cria bula digital e muda sistema de rastrear medicamentos

O Governo Federal sancionou a lei que obriga todo medicamento comercializado no Brasil a ter…

2 dias atrás

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

2 dias atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

3 dias atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

3 dias atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

3 dias atrás