Home / Colunistas / Câncer de mama masculino: 5 sinais que podem detectar a doença
paciente com cancer de mama masculino no consultório medico

Câncer de mama masculino: 5 sinais que podem detectar a doença

Colunistas, Medicina de Família, Oncologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

O Brasil vai somar cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama até o final de 2019, número que corresponde a 25% de todos os diagnósticos da condição registrada no país, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Apesar do Outubro Rosa ser o mês de conscientização sobre a questão voltada para as mulheres, é muito importante lembrar que um dos grandes mitos da medicina é que o câncer de mama não afeta o sexo masculino.

Das 16.927 pessoas que vieram a óbito em decorrência da doença no Brasil no ano passado, 203 eram homens. Apesar de raro, estimativas nacionais indicam que 1% dos casos de câncer de mama afeta os homens brasileiros.
“Apesar da baixa incidência, esse tipo de câncer apresenta um alto percentual de mortalidade. A cada 100 casos, 1 ocorre no sexo masculino. Nos Estados Unidos, por exemplo, foram registrados 1.910 casos e, na maioria das vezes, o diagnóstico é feito tardiamente com a falta de adesão por parte deles na realização anual da mamografia”, alerta o oncologista Daniel Gimenes, do Centro Paulista de Oncologia (CPO), da Oncoclínicas.

O especialista ressalta ainda que além da falta de informação, há um preconceito em relação a este tipo de incidência. “Apesar de não encararmos dados alarmantes no quesito, é importante que os médicos alertem a população em geral sobre os riscos. O diagnóstico precoce é fundamental para as chances de recuperação dos pacientes”, ressalta Daniel Gimenes.

Sintomas, diagnóstico e tratamento

Nos homens, o diagnóstico da mamografia costuma sair mais rapidamente pelo reduzido tamanho de tecido mamário, facilitando a visualização de um nódulo pelos profissionais especializados.

Em muitos casos, a presença do câncer de mama masculino é um indício sugestivo de que o paciente possa ser portador de uma mutação genética hereditária no gene BRCA, sendo recomendada por especialistas a realização do teste molecular, mesmo que não haja histórico na família.

5 fatores importantes para detectar o câncer de mama masculino

1) Genética: se existir um caso de alguma mulher com câncer de mama na família, as chances do homem desenvolver são um pouco mais elevadas, mas se for relacionado à mutação do BRCA, os riscos aumentam significantemente.

“Por essa razão é recomendável fazer uma pesquisa de mutação para saber se esse homem terá chances de desenvolver a doença. Ademais, existe ainda uma síndrome genética associada ao alto nível de estrogênio, que aumenta o índice de casos de câncer de mama no sexo masculino, principalmente quando já existe a mutação do gene BRCA”, ressalta Daniel Gimenes.

2) Hormônios: o principal motivo pelo qual as mulheres apresentam mais comumente a doença é a alta presença de estrógeno. Os corpos masculinos, normalmente, não produzem muito desses hormônios estimulantes da mama. Como resultado, os seus tecidos mamários permanecem planos e pequenos. Ainda assim, é possível ver meninos e homens com seios médios ou grandes. Geralmente, esses seios são apenas montes de gordura. Mas, às vezes, os homens podem desenvolver tecido real das glândulas mamárias porque tomam certos medicamentos ou apresentam níveis hormonais anormais.

3) “Caroço” (nodulção) no tórax: “Como os homens não têm o costume de realizar exames mamários, é necessário que os médicos se atentem a alguns sintomas suspeitos, como um caroço na área do tórax, que pode ser acompanhado de adenomegalia axilar”, explica o oncologista.

4) Retração na pele: em situações mais graves do câncer de mama masculino é possível também ocorrer uma retração do mamilo, acompanhada ou não de sangue na região. Quando estes sinais são detectados, é imprescindível que o médico aja imediatamente.

5) Cirrose/alcoolismo/obesidade: pacientes com distúrbios do fígado são mais propensos a desenvolver câncer de mama. E, quanto mais velho, maior a possibilidade do surgimento da doença.

“Na maioria das vezes, o homem somente procura ajuda médica quando a neoplasia já está avançada, dificultando o tratamento. Quando mais cedo o câncer é diagnosticado, maiores são as chances de cura. Por isso, uma vez que a mamografia masculina não é recomendada como um exame de rotina, os homens que estão na área de risco de desenvolver um câncer de mama precisam ser ensinados e estimulados a realizarem o autoexame”, esclarece o oncologista Daniel Gimenes.

LEIA TAMBÉM: Vacinas e câncer de mama e ovário – o que precisamos saber

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Autora:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.