Home / Clínica Médica / Candidíase de repetição: uso de probióticos como terapia complementar

Candidíase de repetição: uso de probióticos como terapia complementar

Clínica Médica, Colunistas, Gastroenterologia, Ginecologia e Obstetrícia, Infectologia, Medicina de Família
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

A candidíase é uma infecção fúngica altamente prevalente, causada por espécies do gênero Candida. Esse fungo faz parte da microbiota da pele e das mucosas, incluindo o trato gastrointestinal e a vagina. Entretanto, quando há disbiose, pode se tornar patogênico. O tratamento mais utilizado atualmente são os derivados azólicos, todavia, o índice de reincidência da infecção tem sido elevado. Dessa forma, o uso de probióticos associados ou não à terapia convencional pode ser uma opção para o tratamento da candidíase, considerando a importância da manutenção da microbiota intestinal no combate a infecções oportunistas.

A candidíase é a segunda vaginite mais frequente, acometendo 75% das mulheres em idade reprodutiva. Estima-se que cerca de 150 milhões de mulheres em todo o mundo são afetadas pela candidíase vulvovaginal de repetição, caracterizada por quatro ou mais episódios sintomáticos em um ano. A Candida albicans é responsável por 90% dos casos e a Candida glabrata está mais associada a episódios de recorrência. Os sintomas típicos da infecção são: corrimento vaginal brancacento, prurido intenso, dispareunia e disúria.

Leia também: Candidíase invasiva no CTI: veja as recomendações da nova diretriz

O uso dos derivados azólicos no tratamento da candidíase tem sido questionado devido à sua toxicidade, à baixa efetividade no combate ao patógeno e ao risco do surgimento de cepas resistentes. Os efeitos colaterais, tais como náuseas, vômitos e diarreia, contribuem para a baixa adesão ao tratamento. Além disso, o surgimento de cepas resistentes está associado à incapacidade de penetração do medicamento nos biofilmes da Candida, o que reduz a efetividade do tratamento.

A microbiota intestinal impacta diretamente na saúde urogenital feminina e no sistema imunológico. Isso porque, a principal forma de transmissão da candidíase é endógena; o fungo é translocado do intestino para a vagina através da região perianal e permanece como colonizador até que se estabeleçam as condições favoráveis ao desenvolvimento da doença, como a diminuição do pH vaginal, a baixa imunidade ou o uso de antibióticos de largo espectro.

Veja também: Candidíase invasiva: guideline não recomenda BDG como único teste

Além disso, a microbiota intestinal fornece uma linha de defesa contra patógenos oportunistas, contribuindo para a modulação da imunidade (Figura 1).

Figura 1 – Mecanismos diretos e indiretos pelos quais a microbiota intestinal previne o estabelecimento de infecções oportunistas. A) Competição por nutrientes e sítios de adesão no epitélio intestinal, impedindo a adesão de patógenos. B) Produção de biosurfactantes, moléculas que diminuem a tensão superficial, impedindo a adesão microbiana às superfícies celulares e provocando o descolamento das células já aderidas. C) Produção de exometabólitos, como o ácido lático, peróxido e hidrogênio e bacteriocinas, que causam morte celular ou neutralização de toxinas microbianas. D) Modulação do sistema imune, a partir do aumento de citocinas anti-inflamatórias. E) Regulação funcional das junções de oclusão, o que limita o acesso de patógenos à circulação sistêmica. Fonte: produção do autor.

Dessa forma, uma disbiose intestinal aumenta a susceptibilidade a candidíase de repetição

Figura 2 — Influência da disbiose na candidíase vulvovaginal de repetição. Fonte: produção do autor.

Estudos mostram que o uso de probióticos tem sido eficaz no tratamento da candidíase de repetição, visto que os Lactobacillus, principais bactérias probióticas, corrigem a disbiose, impedem a formação de biofilmes da Candida e estimulam a resposta de macrófagos, de forma a minimizar processos inflamatórios.

A inflamação é essencial para a Candida evoluir de levedura para hifa, forma responsável pela patogenicidade. Sendo assim, a redução da resposta inflamatória impossibilita essa mudança morfológica, quebrando o ciclo vicioso entre inflamação, transição levedura-hifa e estabelecimento da candidíase (Figura 3).

Figura 3 – Mecanismos de ação dos Lactobacillus sp. especificamente contra a Candida albicans. Fonte: produção do autor.

Os estudos científicos comprovam que há espaço para o uso de probióticos no tratamento da candidíase vulvovaginal de repetição, principalmente se associados a terapia convencional, considerando a importância do equilíbrio da microbiota e da ação dos Lactobacillus sp. contra a Candida. Entretanto, essa opção terapêutica ainda é pouco utilizada, logo, difundi-la no meio acadêmico é de suma importância para a maior eficácia no tratamento das pacientes.

É médico e quer escrever para o Portal PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Artigo produzido em parceria com: Magalhães MV, Oliveira LRS, Tsai AFS, Brito LM, Morais RM, SEDIG BH, FAMINAS BH.

Referências bibliográficas:

  • Mulinari Paludo R, Marin D. Relação entre candidíase de repetição, disbiose intestinal e suplementação com probióticos: uma revisão. Revista Destaques Acadêmicos [Internet]. [Acesso outubro de 2019]; 10(3).
    Disponível em: http://univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/1745
  • Almeida SMA, Bezerra AN, Mendonça PS. Efeito da suplementação de Lactobacillus spp. no tratamento e prevenção de candidíase vulvovaginal e vaginose bacteriana. Rev Saúde Públ. 2017;v.10:44-60.
  • Davar R, Nokhostin F, Eftekhar M, Sekhavat L, Bashiri Zadeh M, Shamsi F. Comparing the Recurrence of Vulvovaginal Candidiasis in Patients Undergoing Prophylactic Treatment with Probiotic and Placebo During the 6 Months. Probiotics and Antimicrobial Proteins. 2016;8(3):130–3.
  • Matsubara VH. Efeito de bactérias probióticas sobre Candida albicans: ensaios em cultura de macrófagos e de biofilme. (Tese de Doutorado). São Paulo: Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo; 2016.
  • Russo R, Superti F, Karadja E, De Seta F. Randomised clinical trial in women with Recurrent Vulvovaginal Candidiasis: Efficacy of probiotics and lactoferrin as maintenance treatment. Mycoses. abril de 2019;62(4):328–35.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.