Características clínicas da infecção pelo novo coronavírus em crianças chinesas

Tempo de leitura: 2 min.

Desde o fim de 2019, o aparecimento da Covid-19, infecção causada pelo coronavírus SARS-Cov-2, tem deixado toda a sociedade preocupada com as repercussões clínicas e sociais geradas pela pandemia. Até o momento, registram-se mais de 260 mil pessoas infectadas com mais de 11 mil mortes ao redor do globo.

As informações registradas até o momento sugerem que as crianças não apresentam características clínicas de maior gravidade quando comparadas a outros grupos de risco, causando certa surpresa, uma vez que crianças pequenas quase sempre são acometidas com maior gravidade quando falamos de síndromes gripais. Porém, poucos estudos até o momento foram divulgados, sendo necessárias novas avaliações das características clínicas predominantes para esse grupo populacional.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Coronavírus em crianças

Uma correspondência divulgada no New England Journal of Medicine, no último dia 18, com o título SARS-CoV-2 Infection in Children trouxe dados de 1391 crianças atendidas no Wuhan Children’s Hospital de 28 de janeiro a 26 de fevereiro de 2020. Desse total, 12,3% das crianças tiveram confirmação de infecção pelo SARS-CoV-2, com idade média de 6,7 anos.

Os sintomas preponderantes foram febre, tosse e hiperemia de orofaringe. Um total de 27 crianças, correspondendo a 15,8% da amostra, não apresentaram sintomas clínicos ou radiológicos, consistindo em infecções assintomáticas. A maioria dos pacientes (64,9%), entretanto, se apresentaram com pneumonia, com 28,7% apresentando taquipneia e 42,1% apresentando taquicardia à admissão. Sinais de congestão nasal não tiveram grande expressividade: apenas nove pacientes tiveram esse sintoma na apresentação.

As alterações mais comuns em exames complementares foram linfopenia e opacidades bilaterais em vidro fosco na tomografia de tórax.

Apenas três crianças (1,75%) apresentaram doença grave com necessidade de internação em terapia intensiva. As três crianças tinham outras comorbidades: hidronefrose, leucemia e intussuscepção. Houve óbito da criança com intussuscepção (10 meses de idade) devido à falência múltipla de órgãos após quatro semanas da internação.

Leia mais:

Conclusões

Apesar do pequeno número amostral, os dados acima são relevantes ao somarem mais informação a respeito das características clínicas das infecções por SARS-CoV-2 em crianças. Nessa amostra, a menor gravidade do quadro clínico em crianças contrasta com os relatos em pacientes de outros grupos, como idosos. Crianças com comorbidades podem necessitar de maiores cuidados e vigilância das equipes que estão lidando diretamente com as suspeitas e casos confirmados do Covid-19.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Dolores Henriques

Posts recentes

Questões sobre a saúde mental da juventude LGBT+

Junho é o mês em que a temática LGBTQIA+ ganha destaque. Vamos abordar questões importantes…

3 horas atrás

Novo tratamento para pacientes com atrofia muscular espinhal é incluído no SUS

O SUS vai disponibilizar um novo tratamento com o medicamento Nusinersena, indicado para atrofia muscular…

23 horas atrás

Whitebook: linfonodomegalia

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook vamos falar sobre a apresentação clínica da…

1 dia atrás

Blog do Nurse: novidades no sininho! 

Você sabia que agora o app queridinho dos enfermeiros pode ser atualizado no sino de…

2 dias atrás

Teste do pezinho: um panorama da origem até os dias atuais

O teste do pezinho é realizado através de gotas de sangue colhidas do calcanhar do…

2 dias atrás

Tratamento endovascular para AVC de artéria basilar é melhor que tratamento convencional?

Foi publicado um estudo randomizado comparando a eficácia do tratamento endovascular com o tratamento clínico…

2 dias atrás