Home / Caso Clínico / Caso clínico: homem com alteração no dreno após transplante hepático

Caso clínico: homem com alteração no dreno após transplante hepático

Caso Clínico, Clínica Médica, Colunistas, Gastroenterologia, Hepatologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Amanhã, dia 27 de setembro, é celebrado o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos. Por isso, preparamos hoje um caso clínico com um paciente pós-transplante. Veja abaixo!

Caso clínico:

Paciente do sexo masculino, de 26 anos, com diagnóstico de retocolite ulcerativa há dois meses, evoluiu com insuficiência hepática – provavelmente crônica agudizada (ACLF) e achados sugestivos de hepatite autoimune. Foi encaminhado ao transplante hepático com MELD 38.

No terceiro dia pós-transplante foi iniciada dieta enteral. No dia seguinte (quarto dia) ambos os drenos abdominais evoluíram com o achado da fotografia abaixo.

Qual o diagnóstico?

O diagnóstico é de ascite quilosa.

A ascite quilosa é uma complicação rara do transplante hepático e de outros procedimentos cirúrgicos abdominais. Acontece devido à manipulação e lesão de canalículos linfáticos na ressecção hepática, geralmente precoce (<7 dias), e pode surgir logo após a reintrodução da dieta.

O tratamento clínico é baseado em nutrição parenteral hipolipídica e hiperproteica, principalmente com restrição dos lipídios de cadeia longa, e octreotida ou somatostatina.

Baixe o Whitebook e tenha acesso à melhor abordagem de retocolite ulcerativa!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.