Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Caso Clínico / Caso clínico: mulher com edema labial e periorbital

Caso clínico: mulher com edema labial e periorbital

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Paciente 49 anos, enfermeira, comparece à emergência relatando ter acordado no trabalho com edema periobital e em lábios. Além disso, tem “sensação de aperto na garganta”. Refere que este é o segundo episódio deste tipo de edema, mas que eventualmente apresenta urticárias pelo corpo.

Qual a melhor abordagem deste caso na emergência?

Trata-se de um caso de angioedema, que é um edema autolimitado e localizado na pele ou nos tecidos das mucosas. Pode ocorrer isoladamente, acompanhado de urticária ou como componente da anafilaxia.

Os objetivos do tratamento de emergência do angioedema são, primeiramente, manter uma via aérea patente e interromper a progressão da doença. O edema da laringe pode ocorrer rapidamente. Nesses casos, uma via aérea definitiva, como um tubo endotraqueal, deve ser estabelecida. Se a via aérea não puder ser efetivamente protegida com um tubo endotraqueal, é indicada uma via aérea cirúrgica, geralmente na forma de uma cricotireoidostomia de emergência.

Com o paciente estável, você responderá a seguinte questão: há urticária presente?

  1. Se a resposta for sim, pense em uma possível exposição alérgica (inseto, látex, medicação, alimentos)
  2. Caso a resposta seja não, deve-se atentar para investigação de angioedema hereditário, angioedema adquirido ou uso de inibidores de enzima conversora de angiotensina.

A paciente do caso, apresentava história de urticária e relação importante com o aparecimento das lesões no ambiente de trabalho. Pensamos em algumas exposições possíveis, como látex e insetos.

Foi medicada com anti-histamínicos e corticosteroide, apresentando melhora do quadro. Não teve acometimento da via aérea a ponto de necessitar de adrenalina (IM). Recebeu alta com orientação de procurar um imunologista para continuidade da investigação, além de prescrição de adrenalina autoinjetável.

Veja outros casos clínicos:

Autora:

Referência bibliográfica:

  • An overview of angioedema: Clinical features, diagnosis, and management. Author: Bruce Zuraw.

4 comentários

  1. Avatar
    Milton Voss Jr

    Tambem chamado de edema de Quincke ou Urticaria gigante

    • João Marcelo Martins Coluna
      João Marcelo Martins Coluna

      Adrenalina im? O uso subcutâneo não seria mais adequado na emergência?

      • Avatar
        camila soares

        Os protocolos determinam a utilização de adrenalina injetável como o primeiro procedimento a ser tentado em casos de anafilaxia.

  2. Avatar
    Fernando Márcio Capanema Pereira

    Excelente exposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.