Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Caso Clínico / Caso clínico: mulher com manchas nas mãos e nos pés
mãos de paciente com manchas

Caso clínico: mulher com manchas nas mãos e nos pés

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Mulher, 24 anos, chega à clínica de família para avaliação de rotina. Durante a consulta são notadas algumas lesões nas palmas de suas mãos, conforme imagem. Manchas semelhantes foram encontradas na planta de ambos os seus pés.

Após questionamento, ela conta de relações sexuais desprotegidas e relata que há cerca de quatro meses notou uma “verruga” dura em região genital, sem prurido, vermelhidão ou dor associada. Não se preocupou porque não a incomodava e porque desapareceu espontaneamente em poucos dias.

Suspeitando de certa infecção sexualmente transmissível (IST), a médica e o interno que acompanhava a consulta solicitaram um teste rápido, treponêmico, para a referida IST.

O teste resultou positivo.

Qual o diagnóstico?

A IST investigada pela dupla era a sífilis, doença causada por infecção pela bactéria Treponema pallidum, por via sexual, na maioria dos casos. Tal IST se manifesta inicialmente como uma lesão única, firme, indolor, de fundo limpo, no local de inoculação (chamada cancro duro, indicando a sífilis primária).

Em um momento posterior – geralmente seis semanas a seis meses após o cancro duro – aparece como lesões na pele não pruriginosas, tipicamente em mãos e pés, como na imagem; essa é a sífilis secundária. Febre e mal-estar podem ocorrer nesse segundo estágio.

O tratamento para sífilis primária e secundária é semelhante e consiste, preferencialmente, em aplicação única de 2,4 milhões de unidades de penicilina benzatina IM (metade da dose em cada glúteo).

Também foi solicitado a paciente que encaminhasse seu parceiro a clínica para avaliação e tratamento, se preciso.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Saiba mais sobre diagnóstico e tratamento da sífilis!

Veja outros casos clínicos:

Autor:

Referências bibliográficas:

2 comentários

  1. Avatar

    Tratamento sifilis secundária:penicilina benzatina 2,4 mu x semana x 3 semanas
    investigar Hiv

    • Avatar
      GABRIELA GUIMARAES GONCALVES

      Mudou Adelson, agora primária e secundária são dose única, caso se saiba que tem menos de 1 ano de infecção. Se não se sabe o tempo de infecção, ou se é sabido ter mais de 1 ano, ou se terciária, aí sim são 3 doses, uma por semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.