Saúde Pública

Casos de insuficiência renal com alterações neurológicas são investigados

Tempo de leitura: 2 min.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais emitiu recentemente uma nota técnica a respeito da investigação de casos de insuficiência renal aguda com alterações neurológicas de etiologia a esclarecer. A nota foi direcionada aos profissionais de emergência, para que fiquem atentos ao surgimento de novos casos com estas características.

Sobre os casos

Tudo começou após a notificação de um caso ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde CIEVS-MINAS em 30 de dezembro de 2019. O paciente que estava internado em um hospital particular em Belo Horizonte, apresentava insuficiência renal aguda com alterações neurológicas sem causa definida. No dia seguinte, foi notificado um segundo caso com a mesma sintomatologia, internado em hospital de Juiz de Fora.

Após estes casos suspeitos, foi desencadeada uma investigação com o objetivo de esclarecimento diagnóstico e busca de novos casos. Segundo a nota, até 06/01/2020 foram notificados 7 casos suspeitos com sintomas semelhantes e início mais precoce iniciando em 19/12/2019.

Leia também: Dengue: caso de transmissão sexual é confirmado na Espanha

Os dados iniciais trazem as seguintes informações:

  • 100% dos pacientes são do sexo masculino;
  • Mediana de idade 49 anos (23 a 76 anos);
  • Cinco residentes em Belo Horizonte, um em Ubá e um em Nova Lima; seis deles internados em hospitais da região metropolitana de Belo Horizonte e um em Juiz de Fora;
  • A média de dias entre início dos primeiros sintomas e a internação foi de 2,5 dias;
  • Todos com insuficiência renal aguda de rápida evolução (até 72 horas) e alterações neurológicas centrais e periféricas.

Há alguns exames laboratoriais em andamento para pesquisa de arboviroses, febres hemorrágicas, infecções bacterianas e fúngicas sistêmicas, doenças neuroinvasivas, intoxicações exógenas, dentre outras. Os resultados ainda não foram conclusivos.

Quais são os casos suspeitos segundo a nota técnica?

Definição de caso:  “Indivíduo que a partir de primeiro de dezembro de 2019, iniciou com sintomas gastrointestinais (náusea e/ou vomito e/ ou dor abdominal) associados a insuficiência renal aguda grave de evolução rápida (em até 72 horas) seguida de uma ou mais alterações neurológicas: paralisia facial, borramento visual, amaurose, alteração de sensório, paralisia descendente.”

Leia também: Insuficiência renal aguda no choque séptico: quando começar a diálise?

Os casos suspeitos exigem notificação imediata (em até 24 horas) ao CIEVS BH (para os casos de Belo Horizonte) e CIEVS Minas (para o restante do Estado) pelo telefone e e-mail. Para casos fora dessas regiões, também é importante que haja a notificação ao serviços de vigilância responsáveis.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Dayanna de Oliveira Quintanilha

Posts recentes

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

10 minutos atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

1 hora atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

2 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

3 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

5 horas atrás

Cirurgias de catarata caem 38% em um ano, aponta DataSus

Levantamento aponta que o número de cirurgias para correção da catarata realizadas pelo SUS caiu…

6 horas atrás