Filtrar

Infectologia

Tuberculose: a importância do rastreio de contactantes

A tuberculose está entre as dez maiores causas de morte. No mundo, a doença teve uma diminuição de 3% na mortalidade e de 2% na incidência. Porém, no Brasil, essa incidência tem aumentado.

Febre amarela: quando suspeitar?

Com destaque na mídia em decorrência do aumento da incidência no número de casos, a febre amarela é uma das doenças infecciosas que mais preocupam pela sua potencial gravidade.

Conheça a nova arbovirose: Febre do Oropouche

A febre do Oropouche é causada por vírus homônimo e é nova candidata a doença epidêmica na América Latina, inclusive no Brasil.

Febre amarela e vacinação fracionada: o que precisamos saber

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) confirmou na noite de segunda-feira (15) mais dois casos de febre amarela em humanos no Estado.

Rifampicina como adjuvante melhora desfecho no tratamento da bacteremia por S. aureus?

Em novo estudo da revista Lancet, pesquisadores testaram se rifampicina como adjuvante melhora o desfecho do tratamento ou a recorrência da doença.

Preditores de pneumonia na atenção básica

O principal desafio do médico nas infecções respiratórias é identificar os casos graves e definir a necessidade ou não de antimicrobianos.

Vacina contra a dengue: o que você deve saber sobre as últimas evidências

A vacina é recombinante, tetravalente, elaborada a partir do vírus da febre amarela, acrescida a proteína de envelope de cada sorotipo e liofilizada.

Infecção materna por citomegalovírus: o que é e como investigar?

Infecção congênita por citomegalovírus, quando a infecção materna é transmitida para o feto, é a principal causa de perda auditiva neurossensorial.

E afinal, quem deve receber a vacina da dengue?

Dengue, a arbovirose mais importante da atualidade que acomete seres humanos, recebeu um reforço terapêutico recente para o combate das formas graves da doença, a vacina.

Diarreia: Novo guideline do IDSA (parte 2)

Na primeira parte desse especial, falamos sobre os sinais clínicos e diagnóstico. Agora, vamos abordar o tratamento e prevenção.