Filtrar

Terapia Intensiva

Implicações da auditoria clínica na prática assistencial

Os hospitais têm utilizado como forma de gestão o conceito de governança clínica, que possui dentro de seus principais elementos a auditoria clínica.

Oxigênio em excesso é prejudicial para o paciente na UTI?

O excesso de administração de oxigênio tem sido reconhecido como um fator de risco quando utilizado pré-operatoriamente ou após infarto do miocárdio.

4 recomendações para Terapia Intensiva

Campanha identificou procedimentos que são muito utilizados, mas não trazem benefícios reais. Veja abaixo quatro recomendações para Terapia Intensiva:

Risco de Clostridium difficile no paciente internado aumenta quando o ocupante anterior do leito utilizou antibióticos

A infecção pelo Clostridium difficile na rotina de uma instituição de saúde é muito comum e deve trazer reflexão sobre seus fatores de risco.

Suplementação de ferro em pacientes críticos com anemia é eficaz?

A anemia afeta de 60 a 80% dos pacientes internados em UTIs. Uma nova pesquisa avaliou a eficácia da suplementação de ferro em pacientes adultos anêmicos.

Embolia Pulmonar e Síncope: alta prevalência revela diagnóstico negligenciado

Estudo revela que um em cada seis pacientes admitidos no hospital pelo primeiro episódio de síncope apresentam tromboembolismo pulmonar.

Haloperidol venoso na sedação: devemos usar?

O haloperidol, antipsicótico de alta potência, é uma das medicações mais conhecidas para controle de pacientes agitados em emergências e CTI.

Infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (IPCS)

Temos a taxa de incidência de infecção de corrente sanguínea (IPCS) como um marcador preciso na qualidade de assistência ao paciente.

Compressões torácicas mais rápidas são mais eficientes?

Um novo estudo indica que compressões torácicas mais rápidas, entre 120-140 por minuto, aumentam a probabilidade de retorno espontâneo da circulação.

Anti-hipertensivos S.O.S.

A hipertensão arterial tem elevada prevalência na população, acometendo um terço dos adultos. Nos EUA, é a principal razão para consultas médicas.