CBMI 2023: Quando indicar milrinona e vasopressina no choque séptico pediátrico?

Neste artigo apresentamos os principais pontos de duas palestras “Milrinona pode ser DVA de primeira escolha?” e “Vasopressina, quando indicar?”.

No primeiro dia do XXVIII Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (CBMI) da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), duas palestras se destacaram entre os temas pediátricos: “Milrinona pode ser DVA de primeira escolha?” do Dr. Thiago Silveira Jannuzzi de Oliveira (Belo Horizonte/MG) e “Vasopressina, quando indicar?” do Dr. Cláudio Flauzino de Oliveira (São Paulo/SP). Os palestrantes deixaram mensagens muito importantes com relação às práticas atuais do uso de aminas vasoativas no choque séptico em crianças.

Leia também: CBMI 2023:  Biomarcadores e seus desafios na previsão da sepse em pediatria

Com relação à milrinona, o Dr. Thiago mencionou as recomendações de um artigo recente de revisão publicado no periódico Current Pediatrics Reports.

CBMI 2023: Recomendações atuais para sedação e analgesia em UTI pediátrica

CBMI 2023: Recomendações atuais para sedação e analgesia em UTI pediátrica

Milrinona

  1. Use epinefrina (e não dopamina) e/ou norepinefrina (e não dopamina) — recomendação fraca (RF);
  2. Considerar epinefrina ou norepinefrina como a infusão vasoativa de primeira linha, guiada pela preferência do médico, fisiologia do paciente e fatores locais — declaração prática (DP), isto é, não é uma recomendação;
  3. Considerar iniciar agentes vasoativos através de acesso periférico em concentração diluída, se o acesso venoso central não for facilmente acessível — DP;
  4. Considere adicionar vasopressina ou titular ainda mais catecolaminas em caso de choque refratário — RF;
  5. Considere adicionar inodilatadores se houver evidência de hipoperfusão persistente e disfunção cardíaca apesar de outros agentes vasoativos — DP.

Já no que tange ao uso de vasopressina, o Dr. Cláudio citou recomendações da Surviving Sepsis Campaign (SSC) e também do Instituto Latino-americano de Sepse (ILAS).

Saiba mais: CBMI 2023: Usar solução balanceada ou não balanceada na sepse em pediatria?

Vasopressina

Surviving Sepsis Campaign

  • Sugere-se a adição de vasopressina ou titulação adicional de catecolaminas em crianças com choque séptico que necessitam de altas doses de catecolaminas (RF, baixa qualidade de evidência).
  • Nenhum consenso foi alcançado sobre o limiar ideal para iniciar a vasopressina. Portanto, essa decisão deve ser tomada de acordo com a preferência individual do médico.

ILAS

  • Pacientes com choque hiperdinâmico com pressão arterial baixa, saturação venosa central > 70% em uso de noradrenalina?
    • Se euvolêmico, considerar vasopressina, terlipressina ou angiotensina.
    • A dose recomendada de vasopressina para o tratamento do choque é de 0,0003 – 0,002 U/kg/min (0,018 – 0,12 U/kg/h) e dose máxima de 0,008 U/kg/min.
    • Se índice cardíaco (IC) < 3,3 L/min/m2, associar adrenalina, dobutamina ou levosimendan.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • De Oliveira TSJ. Milrinone pode ser DVA de primeira escolha? In: Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (CBMI), XXVIII, 2023, Florianópolis/SC
  • De Oliveira CF. Vasopressina, quando indicar? In: Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva (CBMI), XXVIII, 2023, Florianópolis/SC
  • Miranda M; Nadel S. Pediatric Sepsis: a Summary of Current Definitions and Management Recommendations. Curr Pediatr Rep. 2023;11(2):29-39. DOI: 10.1007/s40124-023-00286-3
  • Weiss S, et al. Surviving Sepsis Campaign International Guidelines for the Management of Septic Shock and Sepsis-Associated Organ Dysfunction in Children. Pediatr Crit Care Med. 2020;21(2):e52-e106. DOI: 10.1097/PCC.0000000000002198
  • Instituto Latino-americano de Sepse. Campanha de Sobrevivência A Sepse - Protocolo Clínico Pediátrico. 2022. Disponível em: https://ilas.org.br/wp-content/uploads/2022/02/protocolo-de-tratamento-pediatria.pdf  (Acesso em: 26 de novembro de 2023).