Colunistas

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

Tempo de leitura: 4 min.

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes de contato. Ser usuário de lentes de contato é o principal fator de risco para ceratite infecciosa nos Estados Unidos, por exemplo. Em relação aos tipos de lentes de contato e formas de uso, as lentes rígidas tem a menor taxa de incidência de infecção relacionada (0,026%), enquanto as lentes gelatinosas utilizadas durante o dia tem incidência de 0.052% (o dobro) e as lentes gelatinosas usadas de forma prolongada tem uma incidência muito mais alta (0,18%). 

Por que a lente de contato aumenta o risco de infecção? 

  • Quebra das barreiras protetoras da superfície ocular e interferência no filme lacrimal;
  • Formação de biofilme microbiano na superfície das lentes de contato e contaminação de estojos e soluções de desinfecção;
  • A manutenção inadequada e o uso impróprio das lentes aumenta o risco de infecção. Mais de 80% dos usuários de lentes de contato referem pelo menos um hábito inadequado que os coloca em risco de infecção (“passar lente na saliva”, reutilizar a solução de limpeza, não friccionar as lentes e enxaguar com a solução, utilizar soro fisiológico para guardar as lentes, não limpar e trocar o estojo em 3 meses, tomar banho de lentes de contato);
  • O uso prolongado ou contínuo (durante a noite) está associado a um aumento de 6 a 15 vezes no risco de ceratite infecciosa;
  • Obter as lentes de contato sem a adaptação e orientação de um médico habilitado foi associado a risco aumentado de ceratite infecciosa;
  • Outros fatores de risco incluem: tabagismo, cirurgia anterior, lagoftalmo, olho seco, blefarite, diminuição da sensibilidade corneana, uso de corticóides ou quimioterapia;
  • Fatores de risco adicionais para infecções fúngicas: baixa imunidade, uso de lentes em regiões tropicais e trauma corneano com material orgânico;

Quais os principais agentes infecciosos nesses casos? 

  • Bactérias em 95% dos casos – pseudomonas, estafilococos e estreptococos; 
  • Fungos e acanthamoeba – podem levar a infecções gravíssimas com prognóstico ruim.

Quais são os achados clínicos da ceratite infecciosa?

  • Geralmente se iniciam dentro de 24h de infecção;
  • Hiperemia ocular com dor;
  • Baixa acuidade visual;
  • Edema palpebral;
  • Fotofobia.

O que encontramos no exame?

  • O defeito corneano é evidente quando coramos com fluoresceína;
  • Infiltrados estromais amarelados ou brancos na ceratite bacteriana, enquanto na fúngica são infiltrados brancos com bordas indefinidas e ramificados com múltiplos infiltrados satélite pequenos;
  • Edema corneano com perda estromal ou afinamento;
  • Reação celular de câmara anterior;
  • Hipópio;
  • Fibrina na câmara anterior;
  • Infiltrado imune estéril no estroma corneano (infiltrado em anel de wessely).

Como suspeitar de infecção?

Todo paciente usuário de lentes de contato com olho vermelho e dor ocular são suspeitos para ceratite infecciosa.

Quando ocorre piora rápida dos sintomas dentro de poucas horas ou dias, é sugestivo de pseudomonas. Uma história de trauma durante a jardinagem é um fator de risco para ceratite fúngica.

É necessária coleta de material para cultura em todo paciente? 

Não é necessária para úlceras pequenas periféricas. Contudo, a cultura deve ser colhida sempre que se tem infiltrado central, infiltrado >2mm associado a melting estromal ou multifocal. Além disso, se não existe resposta ao tratamento inicial, se o paciente tem uma história de cirurgia corneana ou se ceratite infecciosa não bacteriana é suspeitada. As lentes de contato, estojo e soluções podem ser uma fonte alternativa para culturas, especialmente quando as culturas de córnea são negativas ou quando o tratamento antibiótico já foi iniciado.

Como manejar inicialmente? 

  • O paciente deve suspender o uso das lentes de contato imediatamente;
  • O paciente deve ser referenciado para oftalmologista imediatamente em qualquer suspeita de infecção associada a lentes de contato. O atraso pode resultar em melting da córnea e perfuração;
  • Atropina pode ser utilizada para melhorar dor e fotofobia e evitar sinéquias;
  • O tratamento empírico em lesões pequenas periféricas é aceito e é sugerido o uso de monoterapia com colírio de fluoroquinolonas de quarta geração de 1/1h (besifloxacino, gatifloxacino ou moxifloxacino) nas primeiras 24 a 48h. O tratamento também pode ser feito com cefazolina fortificada ou vancomicina fortificada com gentamicina ou tobramicina a cada 30 minutos nas primeiras 24-48h. O tratamento dura em torno de 2 semanas ou até que a úlcera e os sinais de infecção estejam resolvidos;
  • Não prescrever corticóides na fase aguda. Após o controle da infecção podem ser úteis utilizados junto com o tratamento antibiótico reduzindo a inflamação;
  • Os pacientes devem ser avaliados diariamente nos primeiros 3 a 5 dias. É esperada melhora significativa dentro de uma semana. Caso não haja, deve se pensar em bactéria resistente ou ceratite não bacteriana e a cultura deve guiar o novo tratamento;
  • Todo paciente que teve uma ceratite infecciosa deve ficar sem lentes até que o quadro esteja totalmente solucionado e o paciente deve ser alertado do risco de recorrência. A orientação sobre o melhor tipo de lente no caso, adaptação adequada, hábitos de higiene e cuidados com as lentes, suspendendo o uso prolongado e noturno, são fundamentais.

Leia também: Academia Americana de Oftalmologia alerta para riscos de lente de contato sem prescrição

Como prevenir infecções?

  • Tratar as condições da superfície ocular que estão associadas a aumento do risco de infecção;
  • Nunca dormir com as lentes de contato;
  • Evitar que suas lentes entrem em contato com água (inclusive durante o banho);
  • Trocar as lentes de acordo com as recomendações do seu oftalmologista;
  • Trocar o estojo no mínimo a cada 3 meses;
  • Caso tenha dor ocular, hiperemia ou visão borrada, retirar as lentes imediatamente e procurar um oftalmologista;

Autora:

Referências bibliográficas:

 

 

Compartilhar
Publicado por
Juliana Rosa

Posts recentes

Monitorização de longo prazo para FA subclínica após AVCi

Pacientes com AVCi devem ser monitorizados para eventos cardíaco nas primeiras 24 horas após o…

46 minutos atrás

Albumina na cirrose hepática: usos além da função de coloide

Apesar de conhecermos a albumina como um coloide, pesquisas mais recentes vêm descobrindo que ela…

2 horas atrás

Uso de pessário associado a progesterona para prevenção de partos prematuros

Artigo publicado apresentou a possibilidade da associação entre pessário e o uso de progesterona na…

3 horas atrás

Psicofobia: O que podemos fazer para que haja mudança social?

A psicofobia é um termo que possui seu significado ligado ao preconceito contra pessoas que…

4 horas atrás

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

23 horas atrás

Síndrome de anticorpo antifosfolipideo: o que precisamos saber?

A síndrome de anticorpo antifosfolípideo é definida cumprindo pelo menos um clínico e um critério…

1 dia atrás