Pneumologia

CHEST 2021: tratamento da hipertensão pulmonar (HP) nas doenças intersticiais

Tempo de leitura: 2 min.

A hipertensão pulmonar (HP) é classicamente uma condição hemodinâmica e que confere pior prognóstico a inúmeras doenças, sobretudo as doenças do coração esquerdo e as doenças do parênquima pulmonar. Classicamente, essas situações não devem receber tratamento com medicações específicas para a HP. Entretanto, as doenças intersticiais pulmonares parecem demonstrar algum benefício com a terapia inalatória e oral.

Drogas destacadas

Em debate no CHEST 2021 Annual Meeting, trabalhos apresentados recentemente apontam para algum benefício do uso do Sildenafil em pacientes com doenças fibrosantes. O Sildenafil é um inibidor de fosfodiesterase-5 que atua na via do óxido nítrico aumentando sua quantidade na corrente sanguínea. Seus efeitos levam à vasodilatação sobretudo do território vascular pulmonar. Em série de estudos retrospectivos, pacientes com fibrose pulmonar idiopática (FPI) que fizeram uso do sildenafil apresentaram um aumento de sobrevida média de cerca de 2 anos, o que chamou a atenção dos pesquisadores para algum benefício nessa população. Ainda é cedo para falar em efeitos a longo prazo e o assunto ainda carece de novos estudos. 

Outra droga que merece destaque é o treprostinil inalatório. O treprostinil é um análogo de prostaciclina que atua na via da prostaciclina levando à um aumento da vasodilatação na circulação pulmonar. A ação local pela via inalatória favorece áreas mais preservadas e de melhor ventilação. Em estudo recente, o treprostinil aumentou a distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos, além de reduzir os níveis de BNP em relação aos pacientes do grupo controle. Já aprovada pelo FDA para uso em doenças intersticiais, a droga ainda não está disponível no Brasil e ainda são necessários mais estudos para fundamentar o uso.

As demais medicações como inibidores de endotelina e o Riociguat não devem ser utilizadas sob o risco de aumento de mortalidade. Além disso, o tratamento de suporte é essencial para o seguimento dos pacientes, como oxigenoterapia domiciliar, reabilitação e vacinação adequada.

Mensagens Práticas:

  • Cerca de 10% dos pacientes com doenças intersticiais pulmonares apresentam algum grau de hipertensão pulmonar (HP), conferindo pior prognóstico e aumento de mortalidade;
  • A única medicação realmente aprovada para uso nessa população é o treprostinil inalatório, não disponível no Brasil.
  • O tratamento de comorbidades é fundamental no seguimento dos pacientes;

Estamos acompanhando o CHEST 2021. Fique de olho no Portal PEBMED!

Veja mais do CHEST 2021:

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi

Posts recentes

Índice de massa corporal aumentado pode estar associado à neoplasia colorretal precoce

Pesquisadores conduziram estudo de revisão sistemática com metanálise para avaliar a associação do IMC com…

2 horas atrás

Aspirina em dose baixa como prevenção primária de desfechos adversos em gestações gemelares

Devemos prescrever aspirina só para as pacientes com alterações na ultrassom ou para todas as…

3 horas atrás

Acondroplasia: integralidade nos cuidados à saúde e acessibilidade social

A acondroplasia (AC) é considerada uma das mais frequentes osteocondrodisplasias (displasia esquelética – DE) entre os…

4 horas atrás

Revacinação contra a covid-19 para não respondedores portadores de doenças autoimunes sistêmicas é eficaz?

A resposta vacinal pode ser influenciada por doença autoimune. Por isso, um estudo avaliou se…

4 horas atrás

Enfermagem: piso salarial nacional é aprovado por unanimidade no Senado segue para a Câmara

Foi aprovado no Plenário do Senado Federal o projeto de lei que institui o piso…

5 horas atrás

Milvexian, um novo anticoagulante

Foi feito um estudo para testar um novo anticoagulante chamado milvexian, que atua de forma…

6 horas atrás