Pneumologia

CHEST 2021: tratamento da hipertensão pulmonar (HP) nas doenças intersticiais

Tempo de leitura: 2 min.

A hipertensão pulmonar (HP) é classicamente uma condição hemodinâmica e que confere pior prognóstico a inúmeras doenças, sobretudo as doenças do coração esquerdo e as doenças do parênquima pulmonar. Classicamente, essas situações não devem receber tratamento com medicações específicas para a HP. Entretanto, as doenças intersticiais pulmonares parecem demonstrar algum benefício com a terapia inalatória e oral.

Drogas destacadas

Em debate no CHEST 2021 Annual Meeting, trabalhos apresentados recentemente apontam para algum benefício do uso do Sildenafil em pacientes com doenças fibrosantes. O Sildenafil é um inibidor de fosfodiesterase-5 que atua na via do óxido nítrico aumentando sua quantidade na corrente sanguínea. Seus efeitos levam à vasodilatação sobretudo do território vascular pulmonar. Em série de estudos retrospectivos, pacientes com fibrose pulmonar idiopática (FPI) que fizeram uso do sildenafil apresentaram um aumento de sobrevida média de cerca de 2 anos, o que chamou a atenção dos pesquisadores para algum benefício nessa população. Ainda é cedo para falar em efeitos a longo prazo e o assunto ainda carece de novos estudos. 

Outra droga que merece destaque é o treprostinil inalatório. O treprostinil é um análogo de prostaciclina que atua na via da prostaciclina levando à um aumento da vasodilatação na circulação pulmonar. A ação local pela via inalatória favorece áreas mais preservadas e de melhor ventilação. Em estudo recente, o treprostinil aumentou a distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos, além de reduzir os níveis de BNP em relação aos pacientes do grupo controle. Já aprovada pelo FDA para uso em doenças intersticiais, a droga ainda não está disponível no Brasil e ainda são necessários mais estudos para fundamentar o uso.

As demais medicações como inibidores de endotelina e o Riociguat não devem ser utilizadas sob o risco de aumento de mortalidade. Além disso, o tratamento de suporte é essencial para o seguimento dos pacientes, como oxigenoterapia domiciliar, reabilitação e vacinação adequada.

Mensagens Práticas:

  • Cerca de 10% dos pacientes com doenças intersticiais pulmonares apresentam algum grau de hipertensão pulmonar (HP), conferindo pior prognóstico e aumento de mortalidade;
  • A única medicação realmente aprovada para uso nessa população é o treprostinil inalatório, não disponível no Brasil.
  • O tratamento de comorbidades é fundamental no seguimento dos pacientes;

Estamos acompanhando o CHEST 2021. Fique de olho no Portal PEBMED!

Veja mais do CHEST 2021:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi

Posts recentes

Caso raro: Menina de 3 anos é diagnosticada com a doença de Batten e a síndrome de Verzeri-Brady

Uma criança de três anos foi diagnosticada com a doença de Batten no Reino Unido.…

14 minutos atrás

Diarreia associada ao uso de antibióticos

O uso de antibióticos está associado a uma variedade de efeitos colaterais, como náuseas e…

21 minutos atrás

Quando verificar a pressão arterial em crianças, como fazer e avaliar os valores?

A pressão arterial deve ser verificada anualmente em todas as crianças maiores de 3 anos.…

1 hora atrás

ATS 2022: destaques da sessão Year in Review

A clássica sessão Year in Review do congresso da American Thoracic Society (ATS 2022) atrai…

3 horas atrás

ATS 2022: inibidores de fosfodiesterase 4 para fibrose pulmonar idiopática

Durante ATS 2022, foi apresentado um trabalho utilizando inibidores de fosfodiesterase 4 em pacientes com…

15 horas atrás

Úlcera Infecciosa: panorama clínico [podcast]

No episódio desta semana do podcast do Whitebook, a especialista em oftalmologia Dra. Juliana Rosa…

15 horas atrás