Cirurgia bariátrica aumenta o risco de os pacientes desenvolverem epilepsia?

Pesquisadores buscaram estimar o nível de risco para desenvolver epilepsia em pacientes que realizaram cirurgia bariátrica.

Não é segredo para ninguém que as taxas de obesidade aumentaram em todo o mundo – 6,6% das mulheres e 3,0% dos homens em 1975, em comparação com 15,7% das mulheres e 11,6% dos homens em 2016 – consequentemente muitos pacientes em conjunto com seu médico assistente, optam pela cirurgia bariátrica.

Leia também: Epilepsia: conheça os vídeos sobre o tema no Whitebook

Um estudo prévio descreveu que o risco de epilepsia é elevado após a cirurgia bariátrica para perda de peso; no entanto, essa associação não foi explorada adequadamente. Tresah C. Antaya do departamento de neurologia da Western University em Ontário, Canadá, e colaboradores resolveram estudar o tema.

Cirurgia bariátrica aumenta o risco de os pacientes desenvolverem epilepsia

Métodos

O estudo de coorte retrospectivo de base populacional concentrou-se em residentes adultos de Ontário utilizando bancos de dados. Os pesquisadores buscaram estimar o nível de risco para desenvolver epilepsia em pacientes após a cirurgia bariátrica, em comparação com pacientes diagnosticados com obesidade que não fizeram o procedimento.

Sabemos que alguns fatores são conhecidos por aumentar o risco de epilepsia; no entanto, 44 a 69% dos casos de epilepsia não têm causa conhecida, existem fatores de risco que ainda não foram identificados.

O estudo incluiu participantes de 1º de julho de 2010 a 31 de dezembro de 2016 e os acompanhou até 31 de dezembro de 2019. Foram 16.958 pacientes no grupo exposto — aqueles que foram submetidos à cirurgia bariátrica — e 622.514 pacientes no grupo não exposto grupo — pacientes com obesidade hospitalizados que não foram submetidos à cirurgia bariátrica.

Para controlar os fatores de confusão, os pesquisadores usaram a probabilidade inversa de ponderação do tratamento e encontraram a mesma associação.

Resultados

O estudo identificou a taxa de risco para o desenvolvimento de epilepsia após a cirurgia bariátrica como 1,45 (IC de 95% = 1,35, 1,56). Esse risco aumentou para os participantes que fizeram a cirurgia e sofreram acidente vascular cerebral durante o período de acompanhamento, com uma taxa de risco de 14,03 (IC de 95% = 4,26, 46,25).

Saiba mais: Soticlestat: um novo tratamento potencial para a epilepsia

As complicações neurológicas que normalmente surgem de três a 20 meses após a cirurgia bariátrica ocorrem em aproximadamente 5% a 16% dos pacientes — incluindo síndrome de Wernicke-Korsakoff, neuropatia aguda pós-cirurgia de redução gástrica, mielopatia posterolateral, mononeuropatias, polineuropatias, e polirradiculoneuropatias agudas.

Conclusão e mensagem prática sobre epilepsia após bariátrica

Segundo o estudo publicado online na revista Neurology, a epilepsia pode estar entre essas complicações neurológicas de longo prazo; no entanto, o mecanismo permanece indefinido.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Antaya TC, Qureshi A, Richard L, et al. Epilepsy risk following bariatric surgery for weight loss: A their population-based retrospective cohort study of adult bariatric surgery patients. Neurology. 2022. DOI: 10.1212/WNL.0000000000201100