Saúde Pública

Cirurgia bariátrica diminui riscos de eventos cardiovasculares?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Uma pessoa é considerada obesa quando seu índice de massa corporal (IMC) é ≥ 30 kg/m2. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em todo o mundo existem cerca de 500 milhões de adultos com obesidade e 42 milhões de crianças obesas com idade inferior a cinco anos. Em pacientes com obesidade mórbida, a cirurgia bariátrica vem como uma alternativa terapêutica segura para aqueles que necessitam de uma mudança no estilo de vida e não veem outra opção senão o procedimento cirúrgico. Fora a perda de peso, os efeitos deste tipo de cirurgia podem se refletir na diminuição da incidência de psoríase e artrite psoriática, na prevenção de eventos cardiovasculares e controle dos índices glicêmicos.

Cirurgia bariátrica x diabetes

Os efeitos da cirurgia bariátrica podem ser positivos, inclusive, em pacientes com diabetes tipo 2. Um estudo observacional realizado nos Estados Unidos analisou a relação da cirurgia bariátrica com desenvolvimento de eventos cardiovasculares em pacientes obesos e diabéticos. O levantamento colheu dados de quatro centros cirúrgicos integrados do país entre 2004 e 2011, os resultados foram publicados em outubro na revista Jama Network.

Leia mais: Cirurgia bariátrica: indicações e avaliação pré-operatória

O estudo combinado e retrospectivo de coorte coletou dados de 5301 pacientes diagnosticados com obesidade mórbida (IMC ≥35 kg/m²), diabetes tipo 2, idade de 19 a 79 anos, e comparou com os de 14.934 pacientes com as mesmas características. O primeiro grupo (n=5301) passou por cirurgia bariátrica e o segundo (n=14.934) recebeu tratamento com medicamentos para o controle das duas doenças mas não passou pela cirurgia.

Resultados

Ao final da pesquisa, ocorreram 106 eventos cardiovasculares no grupo que passou pela cirurgia bariátrica e 596 eventos no outro grupo. O procedimento cirúrgico foi associado a um menor risco de incidência de eventos macrovasculares, 2,1% no primeiro grupo vs 4,3% no segundo (hazard ratio 0,60 [IC 95%, 0,42-0,86]). A taxa de doença arterial coronariana também foi significantemente mais baixa nos pacientes que fizeram a cirurgia bariátrica em relação aos do outro grupo (1,6% vs 2,8%; HR, 0,64 [IC 95%, 0,42-0,99]).

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Fisher DP et al. Association between bariatric surgery and macrovascular disease outcomes in patients with type 2 diabetes and severe obesity. JAMA 2018 Oct 16; 320:1570. (https://doi.org/10.1001/jama.2018.14619).
Compartilhar
Publicado por
Roberto Caligari

Posts recentes

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

23 minutos atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

1 hora atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

2 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

3 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

4 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

6 horas atrás