Cirurgia ou imobilização após o primeiro episódio de luxação do ombro?

Este estudo sugere que as taxas de instabilidade de pacientes com luxação de ombro submetidos a cirurgia ou imobilização difere bastante.

Estudos recentes têm investigado os resultados do tratamento conservador e da abordagem cirúrgica para tratamento de pacientes após um primeiro episódio de luxação traumática do ombro. Uma recente revisão sistemática e metanálise, divulgada neste ano, foi elaborada para comparar os desfechos entre estabilização cirúrgica e imobilização nesses casos. 

 Saiba mais: Cirurgia mais adequada para o tratamento da instabilidade traumática do ombro

Cirurgia ou imobilização após o primeiro episódio de luxação do ombro?

Cirurgia ou imobilização após o primeiro episódio de luxação do ombro?

Métodos 

Foram incluídos nesta revisão estudos randomizados de nível 1, encontrados em fontes como PubMed, Cochrane Library e Embase. Foram incluídos pacientes com lesões nos tecidos moles e, adicionalmente, lesões ósseas menores (Hill-Sachs, Bankart). Os desfechos considerados foram taxas de instabilidade recorrente, necessidade de cirurgia subsequente, pontuações do Índice de Instabilidade do Ombro de Western Ontario Instability Index (WOSI) e amplitude de movimento. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, cinco estudos foram encontrados, os quais incluíram um total de 126 pacientes submetidos à estabilização cirúrgica e 133 à imobilização por tipoia.   

Resultados 

Constatou-se que os pacientes tratados com cirurgia apresentaram taxas significativamente menores de instabilidade recorrente (6,3% versus 46,6% na imobilização) e necessidade de cirurgia subsequente (4,0% versus 30,8%). Algumas evidências apontaram melhorias nas pontuações do WOSI e na amplitude de rotação externa em abdução em grupos específicos. O tempo de seguimento médio foi de 59,7 meses. 

 Leia também: A anemia está associada a piores resultados em fraturas do rádio distal?

Conclusão e mensagem prática 

Este estudo sugere que pacientes submetidos à estabilização cirúrgica, especialmente homens ativos entre 20 e 30 anos, experimentam taxas substancialmente menores de instabilidade recorrente e uma redução considerável na necessidade de procedimentos cirúrgicos adicionais em comparação com aqueles tratados apenas com imobilização. 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Belk JW, Wharton BR, Houck DA, Bravman JT, Kraeutler MJ, Mayer B, Noonan TJ, Seidl AJ, Frank RM, McCarty EC. Shoulder Stabilization Versus Immobilization for First-Time Anterior Shoulder Dislocation: A Systematic Review and Meta-analysis of Level 1 Randomized Controlled Trials. Am J Sports Med. 2023 May.  DOI: 10.1177/03635465211065403

Especialidades