Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Anestesiologia / Cirurgias em tempos de pandemia por Covid-19
Equipe médica realiza cirurgia durante a pandemia de Covid-19

Cirurgias em tempos de pandemia por Covid-19

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

O surgimento da pandemia ocasionada pela Covid-19 vem modificando constantemente a rotina da população mundial, principalmente dos médicos (afetando de simples consultas à cirurgias). Incertezas em torno do modo de transmissão e da grande diferença de manifestação clínica em pacientes, onde alguns são assintomáticos e outros se apresentam gravemente enfermos, têm obrigado o mundo a agir de forma diferente. E a área médica é a mais diretamente afetada.

Em uma época onde a grande maioria da população pode estar infectada mudanças na rotina cirúrgica de todos os hospitais foram implementadas. A princípio, cirurgias eletivas foram canceladas e postergadas e cuidados novos e extensivos de proteção foram protocolados para segurança dos profissionais e dos próprios pacientes.

Leia também: Como se preparar para cirurgias ortopédicas e de trauma em pacientes com Covid-19?

Normas cirúrgicas na pandemia por Covid-19

As novas normas implementadas para pacientes que serão submetidos a cirurgias, tanto eletivas como de urgência, quando há tempo hábil, estão seguindo protocolos rígidos de diagnóstico e conduta em relação ao Covid-19. Todos os pacientes que serão submetidos a algum procedimento invasivo devem obrigatoriamente serem testados para Covid-19. Se o paciente em questão apresentar qualquer evidência de infecção pelo vírus, seja por um teste positivo ou por sintomas sugestivos ou por contato direto com pessoas ou lugares suspeitos, o procedimento se possível deve ser suspenso a fim de evitar contaminação desnecessária.

Em decorrência da baixa sensibilidade dos testes atuais, onde há uma acurácia de 60% para swabs nasais e 31% para swabs faríngeos, todos os pacientes que adentrarem o centro cirúrgico são atualmente considerados como de risco, mesmo tendo um resultado negativo. E todas as precauções de contato devem ser tomadas. Mesmo os pacientes que já se recuperaram da infecção e apresentam testes de anticorpos IgG positivos também devem ser considerados de risco, uma vez que não há certeza de proteção definitiva e podem ser reinfectados. Portanto, é mandatório que todos os profissionais devam seguir as recomendações de proteção individual com uso de EPI completas.

Saiba mais: Videocirurgias na pandemia de coronavírus: devemos evitar?

Precauções respiratórias em cirurgias

O Covid-19 é uma virose principalmente respiratória. Estudos vêm demonstrando que ela é facilmente transmitida por partículas aerossóis lançadas no ar. Essas partículas permanecem no ar ambiente principalmente em ambientes úmidos e mal ventilados. Estudos também comprovaram a existência de partículas de SARS-COV-2 na tubulação de ar condicionado. Além de também se mostrarem presentes na aerolização dos eletrocautéros cirúrgicos e dos gases anestésicos inalados. Esses fatores, somados ao fato da presença também em fluidos corporais, a equipe presente na sala de cirurgia está constantemente exposta a variáveis de contaminação em potencial. Por isso a necessidade indispensável de proteção.

Conclusão

O futuro do Covid-19 é ainda muito incerto. Mesmo em regiões onde ainda não foram comprovado casos, é muito cedo para se concluir qualquer coisa, uma vez que a incubação do Covid-19 pode levar semanas. E a rotina médica não pode parar.

Sendo assim, em algum momento as cirurgias precisam ser realizadas, uma vez que os pacientes cujos procedimentos estão sendo cancelados ou postergados irão começar a apresentar complicações ou progressão da doença em questão. O novo normal precisa ser implementado. A equipe do centro cirúrgico já tem o costume de trabalhar com equipamentos de proteção para possíveis contaminações laborais, pois estão em constante contato com fluidos e secreções corporais.

Portanto, precauções mais ostensivas em relação ao Covid-19 devem ser implementadas de uma forma constante e por um período de tempo indeterminado. Materiais de proteção específicos (EPI) devem ser estimulados a serem produzidos como rotina e protocolos de descontaminação e prevenção também. Os novos cuidados tanto de paramentação pessoal como de desinfecção ambiental e de material é uma nova realidade e deve ser considerado como o “novo normal” no ambiente hospitalar, principalmente nos setores onde ocorre grande manipulação das vias aéreas e fluidos corporais dos pacientes.

Cuidados paliativos em cirurgias de risco elevado

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Livingston EH. Surgery in a Time of Uncertainty A Need for Universal Respiratory Precautions in the Operating Room. JAMA. Published online May 7, 2020.
  • Wang W, Xu Y, Gao  R,  et al.  Detection of SARS-CoV-2 in different types of clinical specimens. JAMA. Published online March 11, 2020.
  • Bai Y, Yao L, Wei  T,  et al.  Presumed asymptomatic carrier transmission of COVID-19.  JAMA. 2020;323(14):1406-1407.
  • Lu J, Gu J, Li  K,  et al.  COVID-19 outbreak associated with air conditioning in restaurant, Guangzhou, China, 2020.   Emerg Infect Dis. 2020;26(7).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.