Citomegalovírus: rastreio deve ser realizado em gestantes?

Mas se imaginarmos que cerca de 90% da população pode já ter entrado contato com o citomegalovírus, qual seria a vantagem do rastreio em grávidas?

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Não é raro o médico infectologista atender no consultório uma gestante angustiada, em razão de um resultado de IgM positivo para citomegalovírus (CMV). Na toxoplasmose, por exemplo, a solicitação da avidez da IgG tem por finalidade ajudar a diferenciar infecção antiga (alta avidez) de infecção recente (baixa avidez), quando a IgM é confirmadamente positiva. Pode ajudar a definir conduta, pois é possível utilizar a espiramicina na tentativa de evitar a transmissão para o feto.

Mas e o CMV? Existe algum tratamento para a gestante que possa prevenir a infecção fetal? Até existe. Estudos que utilizaram imunoglobulina parecem promissores, mas são pequenos ou inconsistentes. Os antivirais, em modelos animais, apresentam toxicidade e tem potencial efeito teratogênico, razão pela qual devem ser evitados.

A paciente que já entrou em contato com o vírus (IgG positiva) também tem risco de reativação, ainda que muito menor. Mas se imaginarmos que cerca de 90% da população pode já ter entrado contato com o CMV, qual seria a vantagem do rastreio?

Leia mais: Infecção materna por citomegalovírus: o que é e como investigar?

Além do que, vimos que até o momento não há droga específica aprovada com bom nível de evidência para tratamento dos casos com evidência de soroconversão recente. Além de onerar o sistema, poderiam ser realizados exames discutíveis com risco maior que o benefício. Sem falar na preocupação para a gestante, ocasionada pelos resultados das sorologias.

O Ministério da Saúde, nas suas recomendações para acompanhamento pré-natal de gestação de alto risco, coloca como desnecessária a triagem de rotina para gestantes, corroborando com as recomendações mundiais. A FEBRASGO e o CDC também não a recomendam.

Desta forma, até que tenhamos estudos  mais esclarecedores, principalmente em relação à imunoglobulina, não é recomendável o rastreio sistemático de citomegalovírus na gestação. Alguns especialistas, entretanto, defendem que a triagem pode ajudar na pediatria, no acompanhamento dos sintomas e sequelas tardias de bebês potencialmente infectados.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades