Página Principal > Psiquiatria > Clozapina é a melhor droga antipsicótica para o tratamento da esquizofrenia

Clozapina é a melhor droga antipsicótica para o tratamento da esquizofrenia

Tempo de leitura: 2 minutos.

Pesquisadores realizaram uma pesquisa para avaliar como a clozapina se compara a outros antipsicóticos de segunda geração (ASGs). O uso do medicamento foi associado aos melhores resultados relacionados à eficácia, mas a piores resultados de riscos relacionados ao cardiometabolismo.

Metodologia

Publicado em julho no JAMA Psiquiatria, o estudo organizado por pesquisadores dos Estados Unidos, Japão e Alemanha fez uma revisão sistemática e meta-análise de 63 estudos de coorte compreendendo 109.341 participantes. E, embora pacientes mais graves tenham recebido clozapina, o uso de clozapina foi associado a melhores resultados em termos de hospitalização, descontinuação de todas as causas e sintomas gerais. Mas com um maior risco de desfechos relacionados ao cardiometabolismo versus outros ASGs.

Em uma amostra mais geral de pacientes com esquizofrenia do que em ensaios clínicos randomizados, a clozapina foi estatisticamente e clinicamente associada a melhores resultados de efetividade em comparação com outros ASGs. Porém algumas preocupações sobre segurança exigem acompanhamento cuidadoso e atenção clínica.

Meta-análises recentes de ensaios clínicos randomizados (ECR) comparando a clozapina com antipsicóticos de segunda geração com não-clozapina (AS-NCs) na esquizofrenia têm desafiado a superioridade da clozapina em pacientes resistentes ao tratamento. No entanto, pacientes em ensaios clínicos não são necessariamente generalizáveis ​​para aqueles na prática clínica.

Veja outros artigos sobre esquizofrenia:

Resultados

Os desfechos primários do estudo foram hospitalização e descontinuação de todas as causas. Os desfechos secundários incluíram todos os resultados de eficácia e segurança relatados em, pelo menos, três estudos analisáveis.

Na pesquisa sistemática,  68 artigos de 63 estudos de coorte individuais (60,3% homens; média [DP] idade de 38,8 [6,5] anos, tempo de doença de 11,0 [5,1] anos e duração do estudo de 19,1 [ 23,3] meses) foram meta analisados.

Em comparação com os ASGs NC, apesar da maior gravidade da doença (17 estudos [n = 38.766]; Hedges g , 0.222; 95% CI, 0.013-0.430; P  = .04), a clozapina foi significativamente associada a menor risco de hospitalização (19 estudos [n = 49 453]; RR, 0,817; IC de 95%, 0,725-0,920; P  = 0,001; NNT, 18; IC de 95%, 12-40) e descontinuação por todas as causas (16 estudos [n = 56 368] RR 0,732 IC 95% 0,639-0,838; P <.001; NNT, 8; IC 95%, 6-12).

As associações foram estatisticamente significativas para comparações com quetiapina e aripiprazol em relação à hospitalização e todos os ASGs-NC, exceto o aripiprazol, para a descontinuação de todas as causas. A clozapina também foi significativamente associada a melhores desfechos em relação aos sintomas gerais (SMD, −0,302; IC95%, −0,572 a −0,032; P  = 0,03) e gravidade da escala Clinical Global Impressions (SMD, −1,182; IC95%, −2,243 para -0,122; P  = 0,03).

A clozapina foi significativamente associada com aumentos no peso corporal (MD, 1,70; IC 95%, 0,31-3,08 kg; P  = 0,02), índice de massa corporal (MD, 0,96; IC 95%, 0,24-1,68; P  = 0,009) e diabetes tipo 2 (RR, 1.777; IC 95%, 1.229-2.570; P = 0,002; NNH, 27; 95% CI, 13-90).

Conclusões

O uso de clozapina foi associado a melhores desfechos chave de eficácia, mas a piores resultados de riscos relacionados à cardiometabólica em relação aos AS-AS-NC.

 *Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.