Colunistas

Codeína deve ser usada em crianças? Saiba as indicações

A codeína é um analgésico oral muito utilizado para tratamento de dor aguda e crônica e em pós-operatórios (especialmente de adenoidectomia e amigdalectomia), além de seu uso como antitussígeno. Ela tem metabolização hepática, onde se transforma em morfina, gerando seus efeitos.

A metabolização hepática da codeína é muito variável e relaciona-se a polimorfismos genéticos na atividade da enzima hepática responsável, CYP2D6. Dessa forma, identificam-se pessoas que não apresentam resposta à codeína (metabolizadores lentos), até aqueles que apresentam efeitos colaterais relacionados a altos níveis séricos de morfina (metabolizadores rápidos).

Uso da codeína em crianças

Desde 2011, várias agências internacionais de saúde (Organização Mundial de Saúde, The US Food and Drug Administration – FDA, entre outras) têm apresentando questionamentos em relação à segurança e eficácia do uso desse fármaco na faixa etária pediátrica.

A revista Pediatrics, da Academia Americana de Pediatria, lançou um artigo de revisão sobre a variabilidade genética da metabolização de codeína e seus efeitos colaterais em crianças.

O artigo ressalta a importância de pessoas com alta atividade enzimática (metabolizadores ultrarrápidos), que produzem altos níveis séricos de morfina a partir de doses terapêuticas normais de codeína e podem sofrer efeitos de depressão respiratória e apneia.

 

Mais em Pediatria:

Embora testes para avaliação da metabolização da codeína estejam disponíveis, eles são caros e não se tem informações sobre o benefício de sua utilização para a prescrição desse medicamento, uma vez que pessoas com metabolização normal da droga apresentam risco elevado de altos níveis séricos de morfina.

Alternativas

Por isso, é fundamental o conhecimento e uso de medicamentos alternativos. O artigo inclui como possibilidades o uso de oxicodona, hidrocodona, tramadol e tapentadol, enfatizando que todas essas medicações também podem ter alterações metabólicas relacionadas a polimorfismos genéticos, e que existem poucos estudos relacionados a farmacocinética e farmacodinâmica dessas medicações no uso pediátrico.

Uma outra alternativa para o controle de dor e minimização de uso de opioides é o uso de outros analgésicos não-opioides como anti-inflamatórios não-esteroidais e paracetamol. Com relação a medicações antitussígenas, codeína não está relacionada a benefícios da doença de base, e os potenciais efeitos colaterais desestimulam o uso de codeína para esse fim.

Especial atenção deve ser dada à crianças com problemas respiratórios e aquelas com distúrbios respiratórios relacionados ao sono, pois apresentam maior risco de efeitos negativos com uso de codeína.

Autora:

 

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Dolores Henriques

Posts recentes

A classe de anti-hipertensivo interfere nos níveis de PA pré-cirurgia?

Pacientes com hipertensão arterial sistêmica têm maior risco de eventos cardiovasculares com maior chance de…

1 hora atrás

Efeito da época da infecção materna por SARS-CoV-2 nos desfechos nascituros

Um estudo avaliou gestantes não vacinadas para Covid de forma multicêntrica para pesquisar os desfechos…

5 horas atrás

20 de janeiro – Dia Nacional da Parteira Tradicional

O dia 20 de janeiro é considerado o Dia Nacional da Parteira Tradicional, em homenagem…

7 horas atrás

Casos de diabetes no Brasil aumentam 26,61% em dez anos, revela levantamento

Nos últimos dez anos houve um aumento de 26,61% no número de casos de diabetes…

7 horas atrás

Mão-pé-boca: doença do verão

No verão, o número de casos de crianças com a doença mão-pé-boca aumenta. O blog…

21 horas atrás

Sobrecarga médica no cenário atual da Covid-19

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, confira sobre o cenário atual da Covid-19…

22 horas atrás