Coinfecção pode ser comum em crianças com a doença pelo novo coronavírus?

Tempo de leitura: 2 min.

Segundo o novo estudo Co-infection and Other Clinical Characteristics of Covid-19 in Children de Wu e colaboradores divulgado no jornal Pediatrics da American Academy of Pediatrics, as coinfecções são comuns em crianças com a doença do novo coronavírus (Covid-19).

Coinfecção em crianças

Com o objetivo de determinar as características epidemiológicas e clínicas de pacientes pediátricos com Covid-19, os pesquisadores revisaram e analisaram dados de 20 de janeiro a 27 de fevereiro de 2020 de crianças com Covid-19 confirmada em laboratório, incluindo informações básicas, histórico epidemiológico, manifestações clínicas, achados laboratoriais e radiológicos, tratamento, desfecho e acompanhamento.

  • Foram incluídos 74 pacientes pediátricos com Covid-19;
  • Nenhuma das crianças no presente estudo teve uma doença crônica;
  • Dos 68 casos cujos dados epidemiológicos estavam completos, 65 (65/68, 95,59%) eram contatos domiciliares de adultos cujos sintomas se desenvolveram mais cedo;
  • Aproximadamente 27% das crianças eram assintomáticas. Seus casos foram geralmente descobertos após o diagnóstico de um membro da família;
  • 32% das crianças tiveram infecção aguda do trato respiratório superior, 39% tiveram pneumonia leve, 1% apresentou pneumonia grave e nenhum paciente foi considerado crítico;
  • Tosse (32,43%) e febre (27,03%) foram os sintomas predominantes de 44 (59,46%) pacientes sintomáticos no início da doença;
  • Anormalidades na contagem de leucócitos foram encontradas em 23 (31,08%) crianças. Dez crianças (13,51%) apresentaram contagem anormal de linfócitos;
  • Dos 34 (45,95%) pacientes que apresentaram resultados de testes de ácidos nucleicos para patógenos respiratórios comuns, 19 (51,35%) apresentaram coinfecção com outros patógenos que não o SARS-CoV-2. A coinfecção mais comum foi por Mycoplasma pneumoniae. Outras coinfecções detectadas foram por: vírus sincicial respiratório (3 – 15.8%), vírus Epstein-Barr (3 – 15.8%), citomegalovírus (3 – 15.8%) e Influenza A e B (1 – 5.3%);
  • Dez (13,51%) crianças fizeram análise de RT-PCR para amostras fecais. Oito delas mostraram duração prolongada de RNA do SARS-CoV-2;
  • A tomografia computadorizada de tórax encontrou alterações em um ou ambos os pulmões da metade dos pacientes pediátricos. A maioria não foi específica para infecção por SARS-CoV-2, enquanto os adultos geralmente têm áreas multifocais de sombras em vidro fosco e infiltração bilateral.

Os pesquisadores descreveram que o estudo apresentou as seguintes limitações:

  • O rápido surto de Covid-19 e a falta de medidas específicas de contenção no estágio inicial causaram pânico na comunidade e nos hospitais, sendo assim, não foi possível coletar informações epidemiológicas completas de seis pacientes;
  • Somente exames de sangue de rotina, bioquímica e biomarcadores para infecção, foram analisados neste estudo devido a diferentes padrões para testes laboratoriais entre os dois hospitais;
  • Não foi possível medir as cargas virais ou detectar a presença de SARS-CoV-2 em swabs nasofaríngeos e amostras fecais de todos os pacientes;
  • Foram analisados somente os patógenos respiratórios comuns em crianças que foram admitidas em hospitais durante a fase posterior do surto. Mas os pesquisadores acreditam que esses 74 casos com prontuários médicos completos durante o período de hospitalização e acompanhamento sejam bons representantes dos pacientes pediátricos da Covid-19 na China.

Leia também: Doença de Kawasaki em crianças com Covid-19

Wu e colaboradores concluíram que a alta taxa de coinfecção em crianças destaca a importância da triagem de SARS-CoV-2, especialmente durante a alta temporada para resfriados, gripe e outras doenças respiratórias na faixa etária pediátrica.

Quer receber as principais novidades e os números sobre a pandemia de Covid-19? Inscreva-se e receba nossa news diária!

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Wu Q, Xing Y, Shi L, et al. Co-infection and other clinical characteristics of Covid-19 in children. Pediatrics. 2020; doi: 10.1542/peds.2020-0961
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Dor do membro fantasma: como cuidar do paciente com ela?

A dor do membro fantasma reduz a qualidade de vida e provoca sensações dolorosas que…

5 horas atrás

Achados oftalmológicos na Covid-19 [podcast]

Entenda sobre os achados oftalmológicos na Covid-19 com a Dra. Juliana Rosa e saiba quais…

5 horas atrás

Sintomas psicossociais negativos em pré-escolares associados ao tempo de tela

Estudo concluiu que o tempo de tela de crianças pré-escolares aumentou e foi associado à…

8 horas atrás

ATS 2021: infecções fúngicas em ambiente intra-hospitalar

Infecções fúngicas são uma ameaça na terapia intensiva. Na pandemia de Covid-19, a preocupação aumentou.…

9 horas atrás

Hidroanecefalia x hidrocefalia máxima: você sabe a diferença?

A diferenciação entre hidroanecefalia e hidrocefalia máxima é crucial para a definição do prognóstico neonatal…

10 horas atrás

ACC 21: ablação de fibrilação atrial é superior ao controle de frequência cardíaca em pacientes com IC?

Em estudo apresentado no ACC 2021 avaliou se a ablação de fibrilação atrial é maior ao…

11 horas atrás