Gastroenterologia

Colangite: veja as novas diretrizes para diagnóstico e tratamento

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A colangite esclerosante primária é uma doença hepática autoimune, que atinge, principalmente, mulheres e pessoas com mais de 50 anos. O curso da doença é frequentemente acompanhado por sintomas que podem ser onerosos para os pacientes e o manejo deve abordar, ao longo da vida, tanto a progressão da doença quanto o peso dos sintomas.

British Society of Gastroenterology/UK-PBC publicou suas novas diretrizes para o diagnóstico e tratamento da colangite esclerosante primária. A PEBMED separou para você os keypoints da publicação.

  • A presença de anticorpos antimitocondriais (> 1 em 40) ou anticorpos antinucleares altamente específicos para a colangite, sem explicação alternativa, é geralmente suficiente para chegar com confiança ao diagnóstico.
  • Médicos devem oferecer a todos os pacientes com colangite acompanhamento estruturado por toda a vida, reconhecendo que diferentes indivíduos têm diferentes cursos da doença e podem exigir diferentes intensidades de acompanhamento.
  • A avaliação de risco deve levar em conta a gravidade e a atividade da doença no baseline e no tratamento. A sociedade britânica recomenda uma combinação de exames laboratoriais de fígado (para identificar aqueles com bilirrubina elevada, contagem de plaquetas < 150 ou atividade bioquímica da doença no tratamento), imagens (ultrassonografia hepática para identificar cirrose e esplenomegalia; elastografia hepática transitória para identificar aumento da rigidez do fígado) e reconhecimento da doença em idade jovem (< 45 anos).
  • Para identificar aqueles com maior risco de progressão da doença, recomenda-se que todos os pacientes tenham uma estratificação de risco individualizada, utilizando índices de resposta bioquímica após 1 ano de terapia com ácido ursodesoxicólico (UDCA).
  • UDCA oral em 13-15 mg/kg/dia é o tratamento de primeira linha em todos os pacientes com colangite. Se tolerado, deve ser vitalício.
  • A adição de ácido obeticólico (OCA) para pacientes com uma resposta inadequada ou intolerante ao UDCA pode ser considerada.
  • Todos os pacientes devem ser avaliados quanto à presença de sintomas, principalmente fadiga e coceira. Os médicos devem reconhecer que a gravidade dos sintomas não se correlaciona com o estágio da doença.

Acesse mais de 900 modelos de prescrição para uma rotina médica mais prática. Baixe aqui o Whitebook.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Hirschfield GM, Dyson JK, Alexander GJM, et al The British Society of Gastroenterology/UK-PBC primary biliary cholangitis treatment and management guidelines Gut Published Online First: 28 March 2018. doi: 10.1136/gutjnl-2017-315259
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees
Tags: colangite

Posts recentes

Adaptação cardiovascular na gestação: por que devemos conhecer?

A gestação envolve muitas adaptações. Dentre elas, a adaptação cardiovascular. Por isso, é importante se…

45 minutos atrás

Check-up Semanal: nova diretriz para TPV, probióticos na tolerância à APLV e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre as novas diretrizes para TPV, o uso de…

16 horas atrás

Atualização no tratamento da hipertensão arterial pulmonar

A hipertensão arterial pulmonar (HAP) era até pouco tempo uma doença com prognóstico sombrio e…

18 horas atrás

Crianças e adolescentes não sofrem lesões ligamentares do tornozelo?

Uma revisão sistemática recentemente buscou determinar a incidência dos diferentes tipos de lesões laterais do…

19 horas atrás

O papel do peptídeo natriurético cerebral na fibrilação atrial

Estudo investigou o efeito do NT-proBNP basal na recorrência de FA após ablação por catéter…

20 horas atrás

Tratamento da policitemia vera: conceitos importantes

Muitos pacientes com policitemia vera são assintomáticos e descobrem a doença acidentalmente, em hemograma realizado…

21 horas atrás