Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Colecistite aguda alitiásica: como identificar e tratar?
homem com dores na barriga

Colecistite aguda alitiásica: como identificar e tratar?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A colecistite aguda alitiásica é uma inflamação da vesícula biliar sem a evidência de cálculos no seu interior. Esta enfermidade ocorre em 2-15% de todos os casos de colecistite aguda. Normalmente esta condição está associada a outras enfermidades, em pacientes internados em unidades intensivas ou períodos pós-operatórios. Pode também ocorrer em pacientes vítimas de traumas graves e queimaduras.

A etiologia da colecistite aguda alitiásica ainda permanece pouco compreendida. Os principais mecanismos propostos são lesões por isquemia-reperfusão, resposta inflamatória sistêmica e estase de bile no interior da vesicular. É bastante elevado o índice de necrose e perfuração da vesicular biliar nestes casos.

O diagnóstico nem sempre é muito claro, e deve existir um alto nível de suspeita em pacientes graves. As manifestações são pouco específicas, tais como dor em quadrante superior direito, febre, náusea e vômitos. Pode existir icterícia, leucocitose e alterações de enzimas hepáticas.

As melhores condutas médica você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Os achados de imagem na ultrassonografia e tomografia computadorizada incluem aumento da vesicular e espessamento da parede da mesma. Pode existir presença de líquido pericolecístico e gás intramural.

O tratamento de escolha é colecistectomia, porém em pacientes muito graves, com instabilidade hemodinâmica (uso de aminas vasoativas) ou discrasia sanguínea, pode ser realizada colecistostomia por via percutânea. A taxa de mortalidade costuma ser alta (10-70%) independente do tratamento escolhido, isto é atribuído às condições pré-existentes que acompanham o quadro.

Veja abaixo uma colecistectomia:

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.