Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Gastroenterologia / Coledocolitíase: novas diretrizes para diagnóstico e manejo
medico anotando em uma prancheta

Coledocolitíase: novas diretrizes para diagnóstico e manejo

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Estima-se que a incidência de coledocolitíase seja de 5% a 10% entre os pacientes submetidos à colecistectomia laparoscópica para colelitíase sintomática e de 18% a 33% entre os doentes com pancreatite aguda. Para ajudar o médico no manejo dessa complicação, a British Society of Gastroenterology atualizou seu guideline de 2008, com base nas novas evidências disponíveis.

As principais recomendações são:

  • Usar a colangiopancreatografia por ressonância magnética (CPRM) ou o ultrassom endoscópico, ambos altamente recomendados, no diagnóstico da coledocolitíase em pacientes com probabilidade intermediária de doença. A escolha do teste deve ser adaptada aos conhecimentos locais, à disponibilidade dos testes e à adequação do paciente.
  • Realizar a colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) usando propofol ou anestesia geral.
  • Para reduzir o risco de pancreatite pós-CPRE, se não houver contra-indicações, administrar 100 mg de indometacina retal no momento do procedimento e inserir um stent pancreático se o paciente tiver alto risco.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

  • Considerar o uso da exploração laparoscópica da via biliar para a remoção dos cálculos, uma vez que está associada a menor tempo de permanência em comparação com a CPRE perioperatória.
  • Realizar a colecistectomia, a menos que o risco de cirurgia seja muito alto. Neste caso, considerar a esfincterotomia biliar e a extração da pedra ou drenagem biliar como uma alternativa.
  • Oferecer colecistectomia laparoscópica para todos os pacientes após pancreatite biliar e operar dentro de 2 semanas.
  • Em pacientes com pancreatite biliar com colangite associada ou obstrução persistente, realizar CPRE com extração de pedra dentro de 72 horas após a apresentação.

Referências:

  • Williams E, Beckingham I, El Sayed G, et al Updated guideline on the management of common bile duct stones (CBDS) Gut Published Online First: 25 January 2017. doi: 10.1136/gutjnl-2016-312317
  • https://www.jwatch.org/na43463/2017/02/13/updated-recommendations-diagnosis-and-management-common

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.