Página Principal > Whitebook > Coledocolitíase: você sabe como tratar o paciente?
médico prescrevendo

Coledocolitíase: você sabe como tratar o paciente?

Nesta semana, falamos sobre as novas diretrizes para diagnóstico e manejo da coledocolitíase. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, trazemos as complicações e abordagem terapêutica da doença.

As melhores condutas médicas você encontra no: Whitebook Clinical Decision! Baixe grátis.

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Complicações

  • Colangite: Infecção bacteriana da árvore biliar obstruída. Quadro clínico inclui tríade de Charcot (dor em HCD, febre com calafrios e icterícia) ou pêntade de Reynolds (tríade + hipotensão arterial e confusão mental). Laboratorialmente, evidencia-se leucocitose com desvio a esquerda, elevação de transaminases e bilirrubina total às custas de direta. A obstrução de vias biliares deve ser confirmada por exame de imagem (USG ou Colangioressonância). O manejo desse paciente deve incluir ressuscitação volêmica vigorosa e antibioticoterapia venosa. Deve-se realizar drenagem biliar em caráter de urgência, sendo a CPRE o tratamento de primeira escolha podendo ser feita drenagem cirúrgica ou percutânea como opções.
  • Pancreatite Aguda Biliar: Processo agudo inflamatório do pâncreas causado pela passagem de cálculos pelo ducto biliar comum.

Acompanhamento

Internação hospitalar: Analgesia, hidratação venosa vigorosa, antibioticoterapia (se colangite associada) e solicitar parecer da equipe de cirurgia geral/aparelho digestivo para planejamento de abordagem cirúrgica.

Abordagem Terapêutica

Analgesia: Escopolamina 10 mg + dipirona 250 mg VO até de 6/6h OU dipirona 500 mg a 1g VO até 6/6 horas OU paracetamol VO 750 mg 8/8h.

Anti-eméticos: Bromoprida 10 mg VO 8/8 h OU Metoclopramida 10 mg VO 8/8 h.

Anti-inflamatórios: Tenoxicam 20 mg IV 12/12h OU Cetorolaco de trometamol 30-60 mg IV ou IM 12/12h.

Antibioticoterapia: Se colangite associada. Opções:

  • Ampicilina 2 g IV 6/6 h + Gentamicina 4 mg/kg IV 1x/dia;
  • Ciprofloxacino 400 mg IV 12/12 h + Metronidazol 500 mg IV 8/8 h;
  • Ceftriaxone 2 g IV 1x/dia + Metronidazol 500 mg IV 8/8 h;
  • Amoxicilina + Clavulanato 1 g IV 8/8 h.

Conduta em pacientes com colelitíase (pelo risco de coledocolitíase associada):

  • Pacientes de alto risco: Solicitar CPRE e colecistectomia videolaparoscópica a seguir;
  • Pacientes de médio risco: Solicitar exame não invasivo (Colangiorressonância ou USG endoscópico). Se confirmada coledocolitíase, solicitar CPRE e colecistectomia videolaparoscópica a seguir;
  • Paciente de baixo risco: Solicitar colecistectomia videolaparoscópica.

Indicações Cirúrgicas

Pacientes com coledocolitíase devem ser submetidos a tratamento endoscópico (CPRE) com colecistectomia videolaparoscópica posterior.

Caso a CPRE não esteja disponível, pode-se realizar a exploração do ducto biliar comum durante a realização da colecistectomia. Deve-se proceder com coledocotomia, extração dos cálculos de forma manual ou mecânica e colocação de um dreno de Kehr em via biliar principal ou realização de uma derivação biliodigestiva (coledocoduodenostomia, coledocojejunostomia ou hepaticojejunostomia).

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.