Com mais de mil óbitos, Brasil deve bater novo recorde de vítimas da dengue

Com tantos casos de dengue ainda em investigação, a previsão é que 2023 figure como o primeiro lugar dessa lista em breve.

Somente este ano, a dengue já provocou 1.037 mortes no Brasil – é o que mostra a recente atualização do painel de arboviroses do Ministério da Saúde. Em 2022, o país já havia atingido a expressiva marca de 1.053 óbitos, batendo então o recorde histórico de vítimas da doença. Como há casos ainda em investigação, a previsão é que 2023 figure como o primeiro lugar dessa lista em breve. 

Antes de 2022, o período com mais fatalidades era 2015, quando o país registrou 986 vidas perdidas. Por ser uma doença sazonal, que se manifesta com mais intensidade nas épocas de calor, sua incidência é mesmo variada. Porém, antes de 2015 o Brasil nunca havia contabilizado mais de 700 mortes em um único ano, fato registrado cinco vezes desde então. 

 Saiba mais: Utilidade do teste rápido dengue duo no diagnóstico precoce de dengue

Com mais de mil óbitos, Brasil deve bater novo recorde de vítimas da dengue

Com mais de mil óbitos, Brasil deve bater novo recorde de vítimas da dengue

Progressão da doença 

Até meados de novembro, foram registrados cerca de 1,67 milhão de casos prováveis de dengue. Em 2022, haviam sido pouco mais de 1,450 ao longo dos 12 meses.   

Ainda segundo dados do ministério, este ano já foram confirmados 24.109 casos graves e com sinais de alarme da doença. O aumento em relação ao ano anterior foi de 23%.  

 Leia também: Aumento no número de casos de dengue no Rio de Janeiro

Vacinas disponíveis no Brasil 

Diante do quadro alarmante, as atenções se voltam para a vacina desenvolvida pela Takeda e autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde março para aplicação em pessoas de 4 a 60 anos, que tenham ou não sido infectadas. A Qdenga demonstrou uma eficácia geral de 80,2% para evitar contaminações, e de 90,4% para prevenir casos graves, num esquema vacinal que envolve duas aplicações.  

O imunizante já vendo sendo comercializado pelas clínicas particulares desde julho, com valores que variam entre R$ 400 e R$ 500, por dose. A solicitação para inclusão do medicamento no Sistema Único de Saúde (SUS) já foi feita pelo laboratório, que aguarda agora um posicionamento do Ministério da Saúde para 2024. 

A vacina da Takeda não foi a primeira contra a dengue aprovada no país, mas apresenta superioridade em relação à Dengvaxia. Desenvolvida pela Sanofi em 2015, a vacina não teve a adesão esperada, pois, ao contrário do novo medicamento, é indicada apenas para pessoas entre 9 e 45 anos e que já tenham sido contaminadas anteriormente. Assim como a dose da Takeda atualmente, ela pode ser encontrada apenas na rede privada no Brasil. 

Este artigo foi revisado pela equipe médica do Portal.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.