Comecei a residência, e agora? Veja algumas dicas essenciais

Tempo de leitura: 2 min.

Uma nova etapa, um novo momento na carreira médica, a pandemia continuando, e sua residência médica se iniciando… Todas as etapas de nossas vidas que nos movimentam para fora de nossa zona de conforto, que mudam nossos hábitos sedimentados podem ser desconfortáveis no início.

Mas a residência médica é uma dessas mudanças na zona de conforto que deve ser sempre encarada como bem-vinda, afinal de contas, a partir de agora seus objetivos dentro da medicina entram em um novo filtro: a sua especialidade escolhida.

Leia também: Os 6 erros do médico jovem na hora de buscar o melhor emprego

Residência médica

A residência médica, além de atividades teóricas e práticas envolvidas em sua grade curricular particular em cada serviço, leva o residente para a realização de atividades propriamente médicas, antes não permitidas ao acadêmico:

  • Atendimentos em pronto socorro.
  • Atendimento em enfermarias.
  • Atendimentos em ambulatórios.
  • Esquemas de plantão em cenários variados: pronto socorro, UTI, unidades variadas.
  • Remoção de pacientes.
  • Discussões de casos clínicos em diferentes cenários.
  • Algumas especialidades cirúrgicas levam o residente para o centro cirúrgico.
  • Outras especialidades clínicas exigem realização de pequenos procedimentos cirúrgicos variados.

Em todos esses cenários o médico residente precisa estar antenado com o “saber médico” tradicional, registrado nos livros texto, mas também precisa estar “conectado” com as novidades, atualizações, discussões, pontos de vista mundiais, artigos recentes, enfim com o “mundo de atualidades científicas” que promove o desenvolvimento do “saber médico” a todo o momento.

Saiba mais: Cansado de Medicina? Veja essas alternativas de carreiras para médicos

Além disso tudo, a novidade é a necessidade de ampliação de habilidades necessárias para o bom desenvolvimento e capacitação do residente:

  1. Conhecimento: área de habilidade onde o residente deverá adquirir conhecimento médico através da realização de tarefas médicas, atendimentos, cirurgias, discussão de casos clínicos, leituras, atualizações entre outras formas de somar embasamento técnico teórico e prático para sua formação.
  2. Habilidades: talvez seja a área em que os residentes mais estejam “praticando medicina”. No quesito de desenvolvimento de habilidades médicas, o residente vai se deparar com situações que ele, enquanto acadêmico, somente era espectador. Passa agora a ser “ator e protagonista” de visitas médicas, procedimentos médicos, atendimentos reais, resposta de pedidos de interconsultas, feitio de interconsultas para outras especialidades. Aqui o residente está exercitando sua especialidade escolhida junto ao paciente, necessitando todo o aparato de conhecimento e ética.
  3. Ética médica: agora na residência médica o médico residente deve entender que além de sua formação técnica, está em desenvolvimento seu profissionalismo enquanto médico. As relações com outros residentes, e preceptores médicos de sua especialidade e de outras, relações com equipe de enfermagem e outros profissionais do hospital fazem parte da gama de aprendizado para a futura conduta ética adequada que é adquirida durante a vida de residente médico.

Aliados do residente

Para te ajudar no dia a dia, aqui no Portal PEBMED temos as novidades, atualizações e publicações mais recentes vindas de fontes confiáveis e recentes. Acesse e saiba dos últimos estudos, atualizações de diretrizes e novidades e curiosidades dentro de várias especialidades, onde nossos editores de conteúdo separam assuntos relevantes para contribuir na sua formação durante a residência médica.

Além disso, o aplicativo Whitebook pode te ajudar a tirar aquela dúvida na hora da tomada de decisão e fazer parte do sua rotina, seja ela em plantões, ambulatórios ou enfermaria.

Autor(a):

Relacionados