Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Commotio Cordis x Contusio Cordis: qual é a diferença na arritmia?
arritmia coração pós-feriado

Commotio Cordis x Contusio Cordis: qual é a diferença na arritmia?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

Uma das mais importantes complicações do trauma torácico é o acometimento cardíaco grave. Arritmias cardíacas fatais, incluindo fibrilação ventricular e parada cardíaca podem acontecer tanto no Commotio cordis quanto no Contusio cordis.

Commotio cordis em latim significa “agitação do coração”. Podemos defini-lo como morte cardíaca súbita resultante de um trauma contuso de baixo impacto na parede torácica anterior. É a segunda causa mais comum de morte súbita em atletas, ocorre mais comumente em jogadores de beisebol e hóquei, esportes que se utilizam de projéteis contusos, e em jogadores de futebol.

Os jovens do sexo masculino são os que mais são afetados e a idade média das vítimas gira em torno de 14-15 anos, isso pode ser explicado nessa população “mais jovem” porque a parede torácica é mais estreita e maleável, facilitando a transmissão de energia do local de impacto para o miocárdio. Os objetos mais relacionados ao comotio cordis são disco de hóquei no gelo, bola de lacrosse, bola de críquete, bola de futebol, beisebol, softball e bola de neve.

Mecanismo de indução de arritmia

Impactos precordiais que ocorrem em uma estreita janela temporal no período de 30 a 15 milissegundos antes do pico da onda T, induzem a fibrilação ventricular. Além disso, existe uma relação da velocidade do impacto do projétil com o tórax e o risco do desenvolvimento de commotio cordis. A pequena janela de vulnerabilidade explica a raridade de cordis commotio manifestando arritmia tão grave.

O manejo deverá ser realizado segundo as normas de suporte de vida básico e avançado, incluindo compressões torácicas e desfibrilação precoce.

Ao contrário de commotio cordis, onde não há dano estrutural do coração, no contusio cordis um traumatismo contuso de tórax, como em um acidente automobilístico, pode causar contusão do músculo do miocárdio com a ruptura de uma câmara cardíaca -como ruptura de parede livre ou a ruptura de uma válvula cardíaca-. A contusão miocárdica pode ser pequena e assintomática. Alguns pacientes desenvolvem arritmias ou alterações na condução. As manifestações clínicas mais comuns do contusio cordis são dor torácica em decorrência do trauma e síncope local.

Leia maisAfinal, café aumenta ou não o risco de arritmias?

A ruptura ventricular é rapidamente fatal, já os pacientes com lesões menores, particularmente do lado direito, podem apresentar tamponamento cardíaco mais tardiamente, de forma mais insidiosa. Pode haver ruptura de válvula levando a um sopro cardíaco tipo CIV pós-trauma e, por vezes, sinais de insuficiência cardíaca (por exemplo, dispneia, estertores pulmonares, hipotensão).

No caso de regurgitação tricúspide pós trauma, ocorre por ruptura do músculo papilar ou da cúspide anterior, a sintomatologia pode iniciar imediatamente após o trauma ou demorar anos. Os sinais clínicos que podemos encontrar são turgência venosa jugular patológica, refluxo hepatojugular, sopro holossistólico, que aumenta com a inspiração Rivero-Carvallo positivo, dispneia paroxística noturna, hepatomegalia e edema de membros inferiores.

Nos casos de contusio cordis, a avaliação pré-hospitalar vai depender dos sintomas apresentados pelo paciente e da sua gravidade. Devemos prestar atenção ao básico do atendimento e dar atenção às vias aéreas, respiração e circulação do paciente. Uma ferramenta de triagem muito valiosa é o ECG basal. Achados normais de ECG associados a níveis normais de troponina I podem descartar Contusio Cordis clinicamente significativo.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Fibrilação ventricular de Commotio Cordis desencadeada por anormalidades induzidas por impacto torácico na repolarização. Circulação: Arritmia Electrofisiol. 2012; 5 (2): 425-32. doi: 10.1161 / circep.111.962712.
  • Maron BJ, Estes N3. Commotio cordis. N Engl J Med. 2010; 362 (10): 917-27. doi: 10.1056 / NEJMra0910111.
  • Madias C, Maron BJ, Weinstock J, Estes N3, Link MS. Commotio cordis – morte súbita cardíaca com impacto na parede torácica. J Cardiovasc Electrophysiol. 2007; 18 (1): 115-22. doi: 10.1111 / j.1540- 8167.2006.00684.
  • Emmert MY, Pretre R, Suendermann S, Weber B, Bettex DA, Hoerstrup SP et al. Severe traumatic tricuspid insufficiency detected 10 years after blunt chest trauma. Clin Res Cardiol. 2011;100(2):177-179.
  • Prenger KB, Ophuis TO, van Dantzig JM. Traumatic tricuspid valve rupture with luxation of the heart. Ann Thorac Surg. 1995;59:1524-1527.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.