Como evitar excessos de soroterapia na sepse?

Tempo de leitura: 5 min.

A sepse é uma das entidades clínicas mais bem estudadas dos últimos tempos, tanto por ser algo conhecido da ciência médica há muitos anos quanto por sua crescente incidência. Os cuidados hospitalares, e mesmo algumas infecções de comunidade, têm como risco essencial o desenvolvimento de quadros sépticos. Esses, por sua vez, podem variar dos mais leves até o choque distributivo com alto risco de morte.

Como regra, mesmo que os protocolos variem para cada instituição, a sepse é definida como uma extensão sistêmica dos efeitos de uma infecção grave, evoluindo com disfunções orgânicas não explicadas por outros motivos. A maioria dos serviços têm protocolos bem definidos para o manejo da sepse e o objetivo é sempre, além de reduzir o risco de óbito, reverter ou pelo menos minimizar as lesões orgânicas. Como parte geral da maioria dos protocolos, a primeira etapa é a expansão volêmica, a fim de compensar a vasodilatação sistêmica geradora da hipoperfusão tecidual generalizada. Quando o paciente evolui para formas mais graves e entra em choque séptico, o uso de mais soroterapia e de drogas vasoativas geralmente são as condutas adotadas.

Leia também: Lesão renal aguda e sepse: o que as evidências orientam?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Problema do excesso

Aqui surge um problema comum a vários pacientes críticos, sépticos ou não: o balanço hídrico positivo. Já é bem estabelecido que o excesso de volume é um fator de risco importante para esses pacientes, pois leva a congestão de diversos órgãos e agrava funções orgânicas já comprometidas. O excesso de soroterapia dificulta o desmame da ventilação mecânica, aumenta a congestão renal e a necessidade de tratamento dialítico, compromete a absorção da dieta, dentre outros efeitos. Não é raro, portanto, que pacientes sépticos evoluam com balanço hídrico positivo e, por consequência, sofram de todas essas consequências.

A fim de propor uma estratégia para solução desse problema, um estudo publicado no periódico Chest estudou a eficácia de formas não invasivas de prever a resposta a fluidos. O que motivou a pesquisa foram as estatísticas de que 2/3 dos pacientes com sepse apresentam sobrecarga de volume já no primeiro dia de cuidados e que apenas metade dos pacientes se mantém responsivos a volume depois da primeira fase (a de expansão).

Em geral, os dados prontamente disponíveis à equipe médica (para prever se soroterapia extra vai ser eficaz ou não) não são confiáveis para esse tipo de avaliação. Dados vitais, exame físico e medidas estáticas da aferição de pressão (aferição de pressão não invasiva e a pressão venosa central, por exemplo), embora essenciais no dia-a-dia de uma UTI, não revelam a responsividade a fluídos de forma fidedigna. Por isso, para o estudo em questão, os pesquisadores analisaram pacientes monitorados através de biorreactância (uma modalidade semelhante à bioimpedância, em que parâmetros hemodinâmicos como débito cardíaco e volume sistólico são aferidos continuamente através de correntes elétricas).

Características do estudo

A pesquisa envolveu um total de 150 pacientes, distribuídos em 13 hospitais estadunidenses e britânicos, que entravam nos seguintes critérios de inclusão: sepse (definida como um foco infeccioso presumido + 2 ou mais dos critérios para SIRS) com evolução para choque séptico e com a etapa de expansão já realizada. Critérios de exclusão incluíram pacientes paliativos e aqueles que receberam 3 L ou mais de soroterapia na fase de expansão, dentre outros critérios.

Os pacientes foram, então, divididos entre o grupo de controle e o grupo de intervenção após pareamento por sexo, idade, comorbidades, escore de SOFA e qSOFA. O grupo controle receberia os cuidados convencionais de acordo com os protocolos de cada UTI, enquanto o grupo de intervenção seguiria um protocolo montado pela equipe de pesquisadores. Neste algoritmo, antes de cada expansão volêmica ou ajuste de vazão de drogas vasoativas, a equipe assistente deveria fazer a elevação passiva de MMII (EPM) e avaliar, através da biorreactância, a variação no volume sistólico (VS) subsequente. Se o VS variasse 10% ou mais, o paciente era considerado responsivo a fluidos e a equipe prosseguiria com a administração de 500 mL de cristaloide. Nesse caso, a hidratação deveria ser feita de 500 em 500 mL, sempre repetindo a EPM antes de cada administração enquanto o paciente necessitasse. Se o VS variasse menos que 10% em qualquer uma dessas etapas, o paciente não seria mais considerado responsivo a volume e a equipe deveria ou iniciar ou titular drogas vasoativas conforme necessário. O estudo analisou os dados colhidos durante 72 horas.

Saiba mais: Quiz: paciente de 1 mês de vida com sepse generalizada; qual o achado na imagem?

Conforme os resultados da pesquisa mostraram, os pacientes que foram manejados conforme o protocolo embasado na realização de EPM apresentaram um balanço hídrico positivo significativamente menor que o grupo controle (especificamente, 1,37 L a menos). Além disso, o número de pacientes no grupo de intervenção que precisaram de terapia de substituição renal ou ventilação mecânica também foi significativamente menor, sugerindo que parte dessas complicações renais e respiratórias poderiam ser atribuídas ao excesso de volume. O número de dias de UTI também foi menor no grupo de intervenção, apesar de esse resultado não ter sido estatisticamente significante. Mesmo assim, o grupo de intervenção também apresentou mais pacientes que conseguiam receber alta vivos e com melhor funcionalidade.

Alguns dados interessantes que o estudo traz são o fato de que a restrição de volume não resultou em piora de função renal nos pacientes da intervenção e que o excesso de volume nos pacientes do grupo controle se manteve mesmo naqueles que receberam diuréticos de alça para controle do balanço hídrico positivo. Além disso, o estudo deixa evidente como mesmo um volume menor que 2 L no balanço hídrico positivo já é capaz de gerar todas essas diferenças nos desfechos.

Limitações e conclusão

O estudo em questão propõe uma medida prática e com grande potencial para reduzir esse tipo de problema nos pacientes sépticos. Algumas limitações da pesquisa envolvem o fato de não ter sido realizada em duplo-cego e o próprio uso da biorreactância. Além de não ser um aparelho amplamente difundido aqui no Brasil, o que compromete a transição para nossa realidade, a biorreactância, apesar de ser um método não invasivo de monitorização hemodinâmica e preferido sob o cateter de Swan-Ganz, não é aceita como um meio muito preciso para tais medidas. Até mesmo o edema de subcutâneo pode interferir nas aferições, o que coloca a sua confiabilidade em cheque.

Mesmo assim, a pesquisa deixa claro cuidado que deve ser tomado com o excesso de fluidos em pacientes sépticos e propõe uma alternativa de baixo custo para a decisão quanto ao timing adequado quando falamos em uso de cristaloides. Algumas alternativas para a medida do VS que estariam mais acessíveis no Brasil seriam o uso do próprio cateter de artéria pulmonar ou estimativas por ecocardiograma-Doppler a beira-leito. De qualquer forma, esse é um tema interessante e útil a ser replicado com mais pacientes e, especialmente, dentro dos recursos e estatísticas brasileiras.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Douglas IS, et al. Fluid Response Evaluation in Sepsis Hypotension and Shock. Chest. Elsevier BV. 2020 out;158(4):1431-1445. doi: 10.1016/j.chest.2020.04.025.
  • Sivakumar S, Lazaridis C. Bioreactance-Based Noninvasive Fluid Responsiveness and Cardiac Output Monitoring: a pilot study in patients with aneurysmal subarachnoid hemorrhage and literature review. Critical Care Research And Practice. 2020, set 15;2020:1-8, 15 set. 2020. doi: 10.1155/2020/2748181.
  • Nguyen LS, Squara P. Non-Invasive Monitoring of Cardiac Output in Critical Care Medicine. Frontiers In Medicine. 2017 nov 20;4:1-8. doi: 10.3389/fmed.2017.00200.
Compartilhar
Publicado por
Carlos Henrique de Sousa Ribeiro da Silva

Posts recentes

Conjuntivite e uveíte: diferenças e atenção [podcast]

Neste episódio do Whitecast, a Dra. Juliana Rosa falará sobre a conjuntivite e a uveíte. Sabe…

7 horas atrás

Fibromialgia juvenil primária: Uma revisão sobre o tratamento e seu prognóstico

Recentemente, foi publicada uma revisão sobre o tratamento e prognóstico da fibromialgia juvenil primária. Saiba…

8 horas atrás

Mielopatia por deficiência de vitamina B12

A mielopatia metabólica, como a deficiência de vitamina B12, é evitável ​​e geralmente respondem à…

9 horas atrás

Vacina da Pfizer: Anvisa autoriza estudos de uma possível dose de reforço

A Anvisa publicou uma nota autorizando o estudo clínico para testar a possibilidade de uma…

10 horas atrás

Doença de Kawasaki: podemos avaliar o risco de aneurismas coronarianos só a partir dos marcadores inflamatórios?

A doença de Kawasaki, uma vasculite inflamatória sistêmica que pode complicar com o desenvolvimento de…

11 horas atrás

Estão abertas as inscrições em projeto para redução de infecções hospitalares em UTIs

Gestores de hospitais públicos ou filantrópicos podem se inscrever para projeto com objetivo de reduzir…

12 horas atrás