Como fazer um atestado médico? Confira 5 dicas para ajudar nessa importante tarefa.

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

“Dr., preciso de um atestado.” Qual médico nunca ouviu essa frase? Apesar de ser um ato cotidiano e, muitas vezes, banalizado, o preenchimento correto do atestado médico é imprescindível. Em tempos de uma medicina cada vez mais judicializada, confira cinco dicas que irão ajudar nessa tarefa, independente do tipo (academia, perícia, comparecimento a consultas, óbito, entre outros) do documento solicitado.

  1. Nunca recuse ou cobre pelo atestado. O Conselho nacional de medicina, em sua resolução 1658 de 2002, atualizada em 2008, é bem claro em seu artigo primeiro: “Art. 1º O atestado médico é parte integrante do ato médico, sendo seu fornecimento direito inalienável do paciente, não podendo importar em qualquer majoração de honorários”.
  2. Solicite sempre um documento original com foto. Tal ato não permite que indivíduo verdadeiramente enfermo se passe por outro sadio para conseguir um atestado, podendo assim envolver o laudista em uma eventual fraude, a uma empresa ou ao INSS, por exemplo.
  3. Registre um contato. É importante que ao final do atestado, além do carimbo e assinatura legíveis, o médico deixe registrado um meio de fácil contato, como um telefone ou email. Dessa forma, caso o atestado seja questionado por perito ou autoridade legal, o profissional pode ser rapidamente acionado para esclarecimentos, o que tende a limitar  possíveis danos.
  4. Explicite a finalidade. É imperativo que se descreva qual o objetivo do atestado. Se, por exemplo, o documento se presta ao afastamento de atividades laborativas ou escolares, ou para a liberação de determinadas práticas esportivas. Desse modo, um indivíduo não pode justificar a falta a um compromisso (por exemplo, uma audiência) “culpando” alguma enfermidade, a não ser que esse compromisso esteja explicitado na finalidade do atestado.
  5. Não escreva diagnósticos ou códigos de doenças (CID-10). As informações provenientes de pacientes são sigilosas e, portanto, não devem estar contidas nos atestados médicos. Caso o paciente solicite o registro dos diagnósticos, é imperativo que o mesmo escreva uma autorização de forma clara, cuja cópia deve anexada aos registros médicos. Outras exceções são as situações de JUSTA CAUSA (quando, por exemplo, um juiz determina o registro das enfermidades) e o DEVER LEGAL (o médico, por exemplo, diagnostica uma doença de notificação compulsória, o que autoriza a quebra do sigilo e o repasse da informação ao órgão público responsável).

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Além dessas dicas, é sempre importante lembrar que o médico poderá responder na esfera criminal por informações falsas, e, portanto, só deve ser atestado o que se vê e o que se pode comprovar. Dessa forma, recomenda-se também que não sejam feitos atestados retroativos e que as informações tenham letra legível, sempre com cópias anexadas ao prontuário médico.

Autor:

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

5 comentários

  1. Arjuna Perin

    Olá, sou acadêmico da 11 fase de medicina da Unoesc em Joaçaba – SC.
    Em nossos estágios nos ESFs é comum o paciente solicitar o atestado quando perde o dia de serviço, e sempre dizem que a empresa exige a colocação do CID, senão o atestado não vale.
    As empresas podem fazer isso?
    E como proceder? Todas as vezes temos que pedir para o paciente preencher a declaração solicitando isso?

  2. Danilo Diego

    Um médico me deu um atestado sem a quantidade de dias, e agora o q fazer?

    • Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Danilo Diego! Sou Ana Carolina, médica e colunista da Pebmed. Você precisa retornar no profissional que lhe forneceu o documento a fim de que o mesmo preencha corretamente todos os dados obrigatórios. Caso tenha sido um atendimento emergencial, fique atento para retornar à unidade médica no mesmo dia da semana (por ex.: quinta-feira) em que você foi atendido, já que os médicos geralmente trabalham com escala de plantão fixa. Aproveitamos para lhe convidar a continuar acompanhado e participando do nosso portal.

  3. ESFs é comum o paciente solicitar o atestado quando perde o dia de serviço, e sempre dizem que a empresa exige a colocação do CID, senão o atestado não vale.
    As empresas podem fazer isso?
    E como proceder?

    • Jaqueline, eu sou médico da ESF e isso não é comum somente nas unidades não. Qualquer atendimento, seja no pronto socorro, pronto atendimento e consultório essa situação se repete.

      Acho que vale o bom senso do profissional. Situações com cefaleia, gastroenterites, amigdalites (infecto contagiosas) não vejo problema algum em fornecer o CID (quando solicitado pelo paciente, lógico).
      Somente em situações que poderiam gerar algum constrangimento dentro do trabalho do paciente, que tento orientá-lo dos seus direitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar