Como identificar o AVC isquêmico na tomografia computadorizada? [vídeo]

Na emergência é crucial identificar em qual fase do AVC o paciente se encontra, a partir daí, a intervenção pode se dar no momento correto,

Saber identificar um AVC isquêmico novo nos exames de imagem é tão importante quanto saber reconhecer que já existe uma área de cicatriz naquela região. Assim, você estará apto a intervir no momento correto e a não valorizar lesões antigas e implementar tratamentos desnecessários. Neste vídeo, a radiologista, Fernanda Rueda, criadora do canal Neurorradio em pauta, conta a história da evolução do AVC isquêmico na TC de crânio, uma avaliação que é crucial nos plantões da emergência.

A clássica hipodensidade córtico-subcortical do AVC isquêmico acontece nas fases iniciais, e está plenamente estabelecida com 24 horas do início dos sintomas, quando muitas vezes é realizada a TC de controle para avaliar a extensão do dano cerebral. No entanto, quando o objetivo é identificar o AVC ainda nas primeiras horas após o início dos sintomas neurológicos, e, portanto, implementar o tratamento adequado, alguns detalhes de imagem devem ser procurados. Dentre eles, valorizar a perda da diferença entre a densidade do córtex e da substância branca adjacente, o que pode ser mais comumente visto na ínsula, e até mesmo identificar uma imagem hiperdensa na artéria cerebral média, que representa o trombo em si, obliterando o vaso.

Aperte o play e confira!

Confira esse e outros conteúdos do Neurorradio em pauta no Youtube.

Quando considerar a atrofia cerebral como doença

Quando considerar a atrofia cerebral como doença

A hipodensidade e o AVC

A hipodensidade é a representação radiológica do edema citotóxico, que acontece por acúmulo de líquido intra e extra celular por conta da disfunção da bomba de sódio/potássio na membrana celular, e que vai causar uma área de cinza mais escuro que o habitual no córtex e substância branca envolvidos pela isquemia. 

Depois disso, o edema citotóxico vai sendo resolvido e “substituído” por líquor, num mecanismo de reabsorção do parênquima cerebral perdido e portanto forma-se a área de malácia cerebral, que é considerada como uma cicatriz na região de acometimento. O termo encefalomalácia é classicamente descrito em laudos e representa um evento vascular que já aconteceu.

Portanto, é essencial treinar nosso olho para identificar essas diferenças na escala de cinza, que serão diretamente relacionados ao diagnóstico final do paciente, ou seja: está iniciando um AVC, teve um AVC recentemente (fase subaguda) ou já teve um AVC há mais tempo, e, portanto, mais nada pode ser feito. A grande pergunta é: como você tem feito para estabelecer essa diferença?

Tópicos abordados no vídeo

  • Padrões de imagem do AVC na TC de crânio 
  • Como identificar cada padrão e ser decisivo no diagnóstico
  • Artifícios da imagem que podem potencializar essa identificação
  • Olhar por informações adicionais que ajudem na confirmação diagnóstica

Veja também:

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.