Página Principal > Emergências > Como ler a ultrassonografia na avaliação endometrial?
diagnostico

Como ler a ultrassonografia na avaliação endometrial?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A ultrassonografia via vaginal é uma das primeiras opções de exame complementar solicitado quando a queixa da paciente envolve alterações intrauterinas. Isso porque é uma opção de baixo custo, não invasiva e acessível. Além disso auxilia substancialmente no diagnóstico de patologias endometriais. Nesse sentido, fazer uma leitura adequada desse exame pode ser uma boa ferramenta para o médico generalista.

Assim, nos casos de endométrio normal observa-se no exame que a aparência está relacionada ao ciclo menstrual. No início do ciclo apresenta-se como uma fina camada (linear) ecogênica, medindo até 4 mm. Na fase proliferativa apresenta-se mais espesso, com três camadas (trilaminar) e mais ecogênico, medindo até 11 mm. Na fase secretória apresenta-se ainda mais espesso e mais ecogênico, medindo até 16 mm.

Nos casos de pólipos endometriais observa-se o espessamento inespecífico ou massas focais na cavidade endometrial de aspecto ecogênico e homogêneo. O doppler pode ser sempre utilizado para avaliar vascularização. Em miomas submucosos são identificados na ultrassonografia como massas sólidas, hipoecogênicas e heterogêneas. Nos casos de espessamento endometrial, em que o endométrio se apresenta maior que 5 mm em mulheres menopausadas e sem terapia hormonal nota-se aumento da espessura e alteração da ecogenicidade, podendo apresentar ainda aumento da vascularização e achados miometriais.

Em carcinomas endometriais é possível identificar espessamento irregular e heterogenicidade, sendo o sinal mais específico a irregularidade da borda e os limites imprecisos indicando doença invasiva. Além dessas características novamente o doppler auxilia na definição de vascularização.

Vale ressaltar que não há uma indicação formal de quando solicitar essa complementação com ultrassonografia. Contudo, o mais importante do que conhecer as indicações é saber ler e identificar as possíveis alterações e seus respectivos diagnósticos. Não apenas se atendo ao laudo do colega examinador, mas tendo capacidade técnica para discuti-lo.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Dowglas Marques de Santana

Médico, pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás – 2016 ⦁ Diretor Técnico da DMS Serviços Médicos ⦁ Atuo no Programa Saúde da Família, em Urgência/Emergência hospitalar e Ultrassonografia

Referências:

  • Ultrassonografia transvaginal no diagnóstico das patologias endometriais no menacme e menopausa. Larissa Quintela. Dra Daniella Prudente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.