Como manejar complicações pulmonares no pós-operatório?

Complicações pulmonares são uma importante causa de morbidade e mortalidade no período pós-operatório. Dessa forma, é importante conhecer as mais comuns.

Complicações pulmonares são uma importante causa de morbidade e mortalidade no período pós-operatório — a incidência varia de 5-80% dependendo do perfil do paciente e do hospital. As complicações tradicionais são: atelectasia, broncoespasmo, pneumonia e exacerbação do DPOC.

Ainda não estão bem estabelecidas medidas preventivas para essas complicações, então é importante que a gente conheça bem cada uma delas e como manejar da forma correta.

Após a cirurgia, a equipe médica deve se preocupar com complicações pulmonares a mais comuns no pós-operatório.

Complicações pulmonares

  1. Atelectasia: Muito comum, principalmente em cirurgias abdominais ou toracoabdominais. A hipoxemia por atelectasia normalmente começa quando o paciente sai da RPA, se torna pior na segunda noite e continua até o quinto dia. Seu manejo nos pacientes sem secreção abundante é baseado no CPAP. Nos pacientes muito secretivos, devemos investir na fisioterapia respiratória e na aspiração de vias aéreas quando necessário. Não podemos esquecer que febre nos primeiros dias de pós-operatório pode ser atelectasia.
  2. Broncoespasmo: Pode ser consequência da aspiração de vias aéreas, de medicamentos como opioides, resposta alérgica à medicação, exacerbação de asma/DPOC ou de constrição dos brônquios por secreção ou pelo TOT. O manejo se baseia em broncodilatadores associados ou não ao ipratrópio e glicocorticoide, além da remoção das causas de base quando possível.
  3. Pneumonia: Tende a aparecer no quinto dia de pós-operatório com febre, leucocitose, infiltrado pulmonar e aumento da secreção respiratória. Importante destacar que a pneumonia do pós-operatório é normalmente causada por microrganismos resistentes — os mais comuns são as bactérias gram-negativas e Sthaphylococcus aureus. Também é frequente serem polimicrobianas, com a associação mais comum enterobactérias + aureus ou estreptococo.
  4. Obstrução aguda de VA: Ocorre no pós-operatório imediato como estridor ou afonia por edema laríngeo, lesão de cordas vocais, laringoespasmo ou queda de base de língua.
  5. Exacerbação de apneia obstrutiva do sono: Manifesta-se com episódios mais frequentes, mais prolongados ou mais severos de apneia no sono. Dessaturação < 80% pode acontecer em até 7% dos pacientes, normalmente nas primeiras 24-48 horas pós-procedimento. Essa hipoxemia pode aumentar o risco dos pacientes de reintubação, isquemia miocárdica, arritmias cárdicas, encefalopatia hipóxica e morte. A exacerbação da AOS pode ocorrer por conta dos agentes anestésicos, sedativos, opioides ou pela posição supina do pós operatório.
  6. Efusão pleural: Pequenas efusões pleurais são comuns no pós-operatório de cirurgias abdominais. A maioria se resolve espontaneamente em alguns dias.
  7. Pneumonite química: Ocorre pela aspiração de conteúdo gástrico no perioperatório, normalmente se manifesta com início súbito de dispneia e taquicardia. Também pode haver febre, broncoespasmo, hipoxemia e cianose. Mais comum nas primeiras 24 horas e aparece na radiografia como infiltrado pulmonar em um ou dois lobos. Recuperação completa apenas com tratamento de suporte é o desfecho mais comum, mas se não houver melhora em 48 horas, deve-se considerar o uso de antibióticos por infecção secundária.
  8. Edema pulmonar: Pode ser cardiogênico, não cardiogênico ou misto. O cardiogênico normalmente ocorre por sobrecarga hídrica nas primeiras 36 horas do pós-operatório. O não cardiogênico mais comumente acontece por pressão negativa resultante de laringoespasmo pós-extubação. Nesses casos, o paciente apresenta dispneia logo após ex tot e surgem infiltrados bilaterais na radiografia de tórax. O tratamento é de suporte — VNI, diurético, broncodilatador — e normalmente o quadro se resolve sem necessidade de reintubação.

Leia também: Você sabe estratificar o risco de complicações respiratórias no pós-operatório?

Estratégias

Em uma meta-análise recente, algumas estratégias foram estudadas para prevenir essas complicações. Infelizmente a maioria dos estudos é de baixa qualidade, o que não permite embasar com certeza as opiniões. De modo prático, baseado mais em consenso do que evidência robusta, as seguintes estratégias podem ser eficazes. Colocamos em uma tabela com o grau de redução de risco esperado (RR) e o NNT.

Intervenção Redução Risco Relativo NNT
Deambulação precoce

“des-invasão”

65% 8
Mucolíticos profiláticos 60% 9
VNI 48% 10
Estratégia protetora pulmonar intraoperatória 48% 14
Fisioterapia respiratória profilaticamente 45% 10
Analgesia epidural (vs geral) 23% 23
Terapia hemodinâmica baseada em meta

(deixando paciente mais seco em geral)

13% 45

Referências bibliográficas:

  • Odor PM, et al. Perioperative interventions for prevention of postoperative pulmonary complications: systematic review and meta-analysis. BMJ 2020; 368:m540. Disponível em: https://www.bmj.com/content/368/bmj.m540

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.