Como manejar o sangramento uterino na emergência?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Devido a pouca oferta de serviços de emergência ginecológica, é bastante comum que em emergências de clínica médica sejam atendidas mulheres com sangramento uterino anormal. Mas que tipo de cuidado um médico generalista pode fornecer a essas mulheres numa emergência de clínica médica?

De acordo com o Manual de 2016 do Ministério da Saúde, ao atender uma mulher com sangramento ginecológico é fundamental descartar a possibilidade de gravidez, que pode ser feito com amostra de urina ou sérica. Se confirmada a gravidez, é importante referenciá-la a um centro ginecológico, devido a possibilidade de aborto. Quando descartada a gravidez, deve-se cogitar quais as principais causas do sangramento naquela mulher.

Mais comumente, temos como causa de sangramento miomatose uterina ou disfunções hormonais. É importante interrogar a paciente se ela possui doença de base ou usa algum anticoncepcional.

Mais da autora: ‘Menopausa: como fornecer suporte nessa fase da vida’

Para sangramentos muito intensos, deve ser feito ácido tranexâmico 500 mg de 6/6h caso a paciente não possua contraindicações, como coagulação intravascular ativa ou vasculopatia oclusiva. Outra opção é o uso de estrogênio, a fim de combater a atrofia endometrial, responsável por boa parte dos sangramentos disfuncionais. Pode ser administrado estradiol 4mg/dia ou estrogênio conjugado 2,5 mg/dia até cessar o sangramento; porém comumente é mais fácil a terapia hormonal com anticoncepcionais combinados cuja dose é de 1 cp de 6/6h até cessar o sangramento, seguida de manutenção de anticoncepcional contínuo até investigação da causa do sangramento, para que essa seja feita ambulatorialmente.

Pode ainda ser feito, em associação com o anticoncepcional ou sozinho, o uso de anti-inflamatórios comuns, como ibuprofeno e diclofenaco em doses plenas.

O sangramento uterino é uma queixa que, além de comum, causa preocupação nas mulheres. O profissional deve estar treinado para uma escuta ativa de como a mulher se sente diante dessa situação, o que ela acredita ser a causa e como está sua saúde mental, já que sangramentos disfuncionais também são associados a problemas emocionais.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Referências:

  • Protocolos da Atenção Básica – Saúda das Mulheres, Ministério da Saúde, 2016
Compartilhar
Publicado por
Luma Beatriz Peril

Posts recentes

Diabetes Mellitus tipo 1 na criança: cuidados e pontos de atenção para a família

No dia 26 de junho é o Dia Nacional do Diabetes. O Nursebook trouxe algumas…

1 hora atrás

Implante hormonal: para quais condições é indicado?

O implante hormonal é uma opção de reposição de hormônios que trata muitas comorbidades ginecológicas,…

20 horas atrás

Cosméticos: 11 novos produtos chegaram esta semana no Whitebook

Cosméticos, em Produtos Farmacêuticos, tem o objetivo de categorizar produtos do segmento. Confira quais chegaram…

2 dias atrás

O que eu devo saber sobre anemia falciforme? [podcast]

Neste episódio, Felipe Mesquita, hematologista e conteudista do Portal PEBMED, traz importantes pontos sobre a…

2 dias atrás

Dia Mundial de Prevenção de Quedas

No dia 24 de Junho é comemorado o Dia Mundial de Prevenção de Quedas. O…

2 dias atrás

Alterações no padrão de sono após infecção por covid-19

Uma nova condição encontrada e que pode também fazer parte da síndrome da covid-19 longa…

2 dias atrás