Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Neurologia / Como os distúrbios do sono estão relacionados ao AVC

Como os distúrbios do sono estão relacionados ao AVC

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Distúrbios do sono são predominantes em pacientes que sofreram AVC. Estudos recentes sugerem que eles são tanto um fator de risco, como uma consequência, afetando a recuperação e a recorrência. Uma nova avaliação, publicada na revista Neurology, analisa os tipos de distúrbio do sono observados no AVC, suas associações com risco de novos incidentes e os efeitos do tratamento.

500x250banner2

Distúrbios respiratórios do sono (DRS)

DRS incluem apneia obstrutiva e central, diagnosticada por um índice de apneia-hipopneia de ≥ 5 eventos por hora. Distúrbios respiratórios do sono são comuns após um AVC agudo. Aqueles com DRS são, pelo menos, duas vezes mais propensos a ter um AVC.

Apneia obstrutiva com um índice de ≥15 ou ≥20 eventos por hora está associada com um risco aumentado de morte ou recorrência de AVC. O tratamento desses distúrbios podem melhorar a recuperação do paciente.

Hipersonia / Sonolência excessiva diurna

Hipersonia ou sonolência excessiva diurna podem acompanhar AVCs nas áreas subcortical e ponto-mesencefálico. Um estudo mostrou maior necessidade de sono em quase metade dos pacientes avaliados entre 21 e 18 meses pós-incidente. Os sintomas podem melhorar ou persistir depois de alguns meses. Dormir ≥ 8 a 9 horas por dia pode levar a um risco 45% maior para AVC.

Insônia

A prevalência de insônia pode ser de 50% após um AVC. Ponto-mesencefálico, talâmico paramediano e acidentes vasculares cerebrais no córtex pré-frontal dorsolateral podem levar à insônia. Sono de ≤ 6 horas tem sido associado a um risco 15% maior para AVC. Tratamentos medicamentosos apresentaram resultados mistos.

b

Mais sobre AVC:

– Veja os principais pontos da atualização nas diretrizes de prevenção do AVC
– Forame oval patente e acidente vascular cerebral – novas recomendações
– Alto consumo de chocolate pode reduzir risco de doença cardiovascular e cerebrovascular

Síndrome das Pernas Inquietas / Movimentos periódicos dos membros

A Síndrome das Pernas Inquietas é um impulso noturno de mover as pernas, que piora com o repouso e melhora com o movimento. Movimentos periódicos dos membros são movimentos da perna vistos em polissonografia e podem ser vistos no lado contralateral de um AVC. Agonistas dopaminérgicos podem melhorar os sintomas.

Distúrbio de comportamento do sono REM

Está associado com o comportamento clínico do sonho, confirmada pelo sono REM sem atonia, em polissonografia. O distúrbio é, provavelmente, associado a infartos do tronco cerebral. Incidentes de risco para AVC são desconhecidos.

A publicação conclui que os distúrbios respiratórios do sono e transtorno do ciclo vigília-sono aumentam o risco de AVC na população em geral, e afetam a recuperação a curto e longo prazo. Por isso, uma avaliação do sono deve ser considerada pelos médicos.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.