Medicina de Família

Como podemos nos comunicar de forma efetiva com pessoas em situação de rua?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A situação de rua é definida como um grupo heterogêneo de pessoas que vivem em pobreza extrema, possuem vínculos familiares fragilizados/interrompidos e que não possuem moradia convencional regular (de forma temporária ou permanente). Infelizmente, esse contexto ainda é muito prevalente em nosso país. Como as pessoas nesta situação tão complexa e particular devem ser cuidadas? Como deve ser a comunicação com as mesmas?

O nosso modelo de ensino médico atual coloca, muitas vezes, o profissional no centro do cuidado e não o próprio indivíduo. Ele também nos ensina a sermos eficientes, rápidos e prontos para o mercado de trabalho. Por isso, as relações humanas médico-pessoa são cada vez mais desencorajadas, e tornam-se cada vez mais escassas e rasas.

No cuidado de pessoas em situação de rua, é perceptível que o mais importante não é seguir grandes “guidelines”, saber fazer a melhor prescrição, realizar um diagnóstico preciso. Mas, muitas vezes, é o toque, o olho no olho, comunicação não-verbal coerente, uma relação de iguais e não hierarquizada que fazem a diferença. Porque é isso que eles esperam de nós, profissionais de saúde. Desta forma, além das abordagens contendo Método Clínico Centrado na Pessoa e Entrevista Motivacional, alguns passos devem ser seguidos sempre, para que se conquiste a confiança da pessoa que está sob nosso cuidado:

  1. Dirija-se a ele(a) por seu nome;
  2. Respeite o tempo deles (nós profissionais é que estamos no ambiente deles, e devemos perguntar se eles querem ser ajudados);
  3. Escute as suas histórias de vida e se mostre interessado pelas mesmas;
  4. Respeite a dignidade de cada indivíduo;
  5. Seja persistente – essas pessoas vivem em um ambiente completamente hostil e aprendem, como mecanismo de proteção, a não confiar em outras pessoas, devendo essa barreira ser quebrada aos poucos;
  6. Oferte esperança, afeto, cuidado, e não só condutas médicas propriamente ditas;
  7. Não os julgue pelos seus hábitos e vícios – a Redução de Danos é o termo para este cenário;
  8. Tenha competência cultural – aprenda a linguagem da rua, conheça as suas maiores dificuldades, conheça as drogas, suas apresentações e formas de uso, isso faz com que eles se sintam representados.

Além das atitudes citadas acima, muitas outras podem e devem ser tomadas de acordo com as particularidades de cada situação (por exemplo, utilizando recursos locais, como amigos, líderes das comunidades etc.), buscando sempre o aumento do vínculo médico-pessoa, o que torna o cuidado mais satisfatório. Cabe citar que, geralmente, após a edificação de um vínculo forte, o profissional será sempre a referência daquele paciente, e este o procurará sempre que precisar de algo.

Por fim, merece uma reflexão o acesso restrito que essa população tem aos serviços de saúde. Por exemplo, a necessidade de acompanhantes para internações, endereço e telefone para cadastramento nos sistemas informatizados e para cadastro nas unidades de saúde de atenção primária, pouco ou nenhum treinamento dos profissionais nas particularidades da situação de rua, dificuldade de longitudinalidade do cuidado devido a constantes mudanças de local de moradia e horários de atendimento incompatíveis com os horários para “sobrevivência na rua”, entre outros.

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Bruno Paladini Camargo

Posts recentes

Preparação vaginal com diferentes soluções antissépticas antes da cesariana para prevenir infecções pós-operatórias

A sepse materna é uma das principais causas de morbimortalidade materna: trata-se de uma emergência…

2 horas atrás

Caxumba: panorama clínico [podcast]

Neste episódio, a Dra. Maria Eduarda Cruxen, pediatra e conteudista do Whitebook, fala sobre a…

3 horas atrás

Check-up semanal: vape e saúde respiratória, ruptura do tendão de Aquiles e muito mais!

Nesse episódio do Check-up semanal os principais temas são: vape e saúde respiratória, ruptura do…

3 horas atrás

Hepatites D e E: diagnóstico, transmissão e prevenção

Dentre os agentes virais causadores de hepatites, HAV, HVB e HCV são os mais frequentes,…

4 horas atrás

Em cirurgia de retirada de tumor cerebral, paciente realiza movimentos de braço e perna

.“Lembro deles me pedindo pra fazer algumas funções motoras durante a cirurgia de retirada do…

5 horas atrás

O que sabemos sobre manifestações oftalmológicas na varíola dos macacos?

Com quadro similar à varíola, a varíola dos macacos apresenta manifestações oftalmológicas já em seus…

6 horas atrás