Como prevenir afogamento de crianças?

O afogamento é a segunda causa de óbito em crianças entre 5 e 14 anos e a terceira em pacientes de todas as faixas etárias, no Brasil. Saiba como prevenir.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O afogamento pode ocasionar desde graus leves de hipóxia a complicações mais graves, culminando em óbito¹. A maioria das vítimas de afogamento não fatal recupera totalmente sem déficits neurológicos, mas graves sequelas em longo prazo são observadas em pacientes que tiveram longos períodos de submersão (> 6 minutos), ou foram submetidos a tempo prolongado de reanimação cardiopulmonar (RCP)².

A encefalopatia hipóxica com ou sem edema cerebral é a causa mais frequente de morbimortalidade em pacientes hospitalizados vítimas de afogamento1. Como parte do nosso especial de verão, vamos falar da prevenção desse tipo de situação.

afogamento

Afogamento

Em 2002, o World Congress on Drowning e a Organização Mundial de Saúde (OMS) reformularam a definição de afogamento como “o processo de experimentar enfraquecimento respiratório por submersão/imersão em líquido”1. As consequências do afogamento segundo essa reformulação são classificadas em: óbito, sem morbidade, com morbidade (categorizadas, por sua vez, em déficit moderado, déficit grave, estado vegetativo/coma ou morte encefálica)2.

Expressões como afogamento “molhado”, “seco”, “secundário”, “ativo”, “próximo”, “passivo”, “silencioso”, em “água doce”, em “água salgada” e “quase afogamento” (“near-drowning”) não devem ser usadas1,2. Segundo a American Academy of Pediatrics (AAP), o termo “quase afogamento” deve, inclusive, ser substituído pela expressão “afogamento não fatal”. A definição e a classificação revisadas em 2002 são bastante consistentes e devem ajudar na vigilância do afogamento e na coleta de informações epidemiológicas mais confiáveis e abrangentes2.

Leia maisFatores para um desfecho positivo em um afogamento

O processo de afogamento é um continuum que pode ser interrompido se houver resgate em qualquer ponto desse processo, com sequelas variáveis, desde ausência de sintomas até a morte². Nos Estados Unidos, o afogamento é a principal causa de morte por lesão em crianças de 1 a 4 anos de idade e a terceira causa de morte por lesão não intencional entre crianças e adolescentes entre 5 e 19 anos2. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, 17 pessoas morrem afogadas todos os dias, três delas sendo crianças3. Ademais, o afogamento é a segunda causa de óbito em pacientes pediátricos com idades entre 5 e 14 anos e a terceira causa de morte externa em pacientes de todas as faixas etárias, no território brasileiro1.

Os principais fatores de risco para afogamento incluem: extremos de idade, sexo masculino, condição socioeconômica, escolaridade, falta de supervisão e uso de bebidas alcóolicas1.

Segundo a AAP, no período de 2013 a 2017, a maior taxa de afogamento nos Estados Unidos ocorreu na faixa etária de 0 a 4 anos (2,19 por 100.000 habitantes), com crianças de 12 a 36 meses de idade sob maior risco. A maioria das crianças se afoga em banheiras e baldes, enquanto a maioria das crianças em idade pré-escolar se afogam em piscinas. O principal problema para essa faixa etária é a falta de barreiras para impedir o acesso imprevisto e não supervisionado à água, incluindo piscinas, banheiras de hidromassagem e água parada (baldes, banheiras e vasos sanitários). De acordo com a Consumer Product Safety Commission (CPSC), 69% das crianças com menos de 5 anos não deveriam estar na piscina no momento de um incidente de afogamento2.

Adolescentes com idades entre 15 e 19 anos têm a segunda maior taxa de afogamento fatal. Nesta faixa etária, pouco menos de três quartos de todos os afogamentos ocorrem em ambientes de água natural. O aumento do risco de afogamento fatal em adolescentes pode ser atribuído a múltiplos fatores, incluindo superestimação de habilidades, subestimação de situações de risco, envolvimento em comportamentos de alto risco e impulsivos e uso de substâncias (o álcool é o principal fator de risco, contribuindo para 30% a 70% das mortes recreativas entre adolescentes e adultos nos Estados Unidos)2.

Recomendações sobre prevenção

Algumas condições clínicas também possuem risco aumentado de afogamentos, como convulsões, transtorno do espectro autista (TEA) e arritmias cardíacas2. Diante desse contexto, a AAP divulgou recomendações sobre a prevenção do afogamento em crianças².

As recomendações da AAP para pais e cuidadores são2:

  • Crianças pequenas nunca devem ser deixadas sozinhas ou sob os cuidados de outra criança nem por um momento enquanto estiverem nos seguintes locais ou próximos a eles: banheiras, piscinas, spas, valas de irrigação, lagoas ou outros depósitos abertos de água;
  • Os pais e cuidadores devem estar cientes dos riscos de afogamento em casa: assentos de banho infantil podem tombar e as crianças podem escorregar para fora deles e se afogar em alguns centímetros de água na banheira. Os bebês devem sempre estar com um adulto quando estão sentados em uma banheira;
  • A água deve ser esvaziada de recipientes (como baldes) imediatamente após o uso. Para evitar o afogamento em banheiros, as crianças pequenas não devem ser deixadas sozinhas nesse ambiente. Travas nos banheiros podem ser úteis;
  • Pais e responsáveis devem evitar o acesso das crianças ao banheiro, piscina ou água aberta sem supervisão;
  • Sempre que bebês e crianças (nadadores não competitivos) estiverem dentro ou em volta de uma piscina, um adulto supervisor com habilidades de natação deve estar a uma distância de um braço, proporcionando constante “supervisão por toque”. Mesmo com crianças mais velhas e melhores nadadores, os olhos e atenção do supervisor adulto ainda devem estar constantemente focados na criança. Este “Vigilante da Água” não deve estar envolvido em outras atividades que possam comprometer essa atenção, incluindo usar o telefone, socializar, cuidar de tarefas ou beber álcool e é necessário que haja uma transferência clara de responsabilidades de um “vigilante” para o seguinte. A supervisão deve ser próxima, constante e atenta. Em caso de emergência, o adulto supervisor deve ser capaz de reconhecer uma criança em perigo, realizar um resgate com segurança, iniciar a RCP e pedir ajuda. Os pais precisam reconhecer que os salva-vidas são apenas um tipo de proteção, e as crianças dentro e perto da água precisam de supervisão constante do cuidador, mesmo que um salva-vidas esteja presente;
  • Para evitar o acesso não intencional, as famílias devem instalar uma cerca de isolamento de 4 pés e 4 lados que separe a piscina da casa e do resto do jardim com um portão de fecho automático. Famílias de crianças com TEA ou outras deficiências devem identificar perigos locais e trabalhar com a comunidade para a colocação de cercas em piscina e mitigação de perigos;
  • As famílias podem considerar os alarmes suplementares de piscina e as coberturas com peso como camadas adicionais de proteção. No entanto, nem os alarmes nem as coberturas das piscinas substituem a vedação adequada e a supervisão de adultos. É importante ressaltar que alguns tipos de coberturas para piscinas, como coberturas solares de plástico fino, não devem ser usados como um meio de proteção, pois podem aumentar o risco de afogamento;
  • Pais, cuidadores e proprietários de piscinas devem aprender a realizar a RCP. No caso dos Estados Unidos, a AAP recomenda que seja mantido um telefone e um equipamento de resgate aprovado pela Guarda Costeira (por exemplo, boias de vida, coletes salva-vidas e uma ferramenta de alcance, como um bandido de pastor) ao lado da piscina. Crianças mais velhas e adolescentes devem aprender RCP;
  • Crianças e seus pais devem aprender a nadar e aprender habilidades de segurança da água. Como as crianças se desenvolvem em ritmos diferentes, nem todas as crianças estarão prontas para aprender a nadar exatamente na mesma idade.

Veja mais: 25 de julho: Dia Mundial de Prevenção do Afogamento

Há evidências de que as aulas de natação podem reduzir o risco de afogamento, incluindo crianças de 1 a 4 anos. A decisão de um pai sobre iniciar aulas de natação ou habilidades de sobrevivência em água em uma idade precoce deve ser individualizada com base na frequência de exposição à água, maturidade emocional, limitações físicas e cognitivas da criança e problemas de saúde relacionados às piscinas. Os pais devem ser lembrados de que as aulas de natação não “afogam” uma criança de qualquer idade.

É fundamental que os instrutores de natação enfatizem essa mensagem, bem como a necessidade de supervisão constante em torno da água. A capacidade de nadar deve ser considerada como apenas uma parte da competência em termos de recursos hídricos e um plano de proteção envolvendo supervisão próxima, constante e atenta; uso de coletes salva-vidas; treinamento em RCP e uso de desfibrilador externo automático (DEA); e salva-vidas. As crianças precisam aprender a nunca nadar sozinhas e nunca nadar sem a supervisão de um adulto;

  • Os pais devem monitorar o progresso de seus filhos durante as aulas de natação e continuar suas aulas pelo menos até que a competência básica para nadar seja alcançada. Habilidades básicas de nado incluem: habilidade para entrar na água, girar, impulsionar-se por pelo menos 25 metros, flutuar ou pisar na água, e então sair da água;
  • Sempre que uma criança visitar um local onde exista acesso à água (por exemplo, piscina, banheira de água quente, água aberta), os pais/responsáveis devem avaliar cuidadosamente as instalações para garantir que as barreiras básicas estejam instaladas, como fechaduras, cercas com portões fechados em bom estado de funcionamento e garantir que a supervisão seja consistente com as recomendações anteriores;
  • Todas as crianças e adolescentes devem ser obrigados a usar coletes salva-vidas sempre que estiverem em embarcações, e todos os adultos devem usar coletes salva-vidas para modelar comportamentos seguros e facilitar sua capacidade de ajudar seus filhos em caso de emergência. As crianças pequenas e os não-nadadores devem usar coletes salva-vidas quando estiverem perto da água e quando estiverem nadando. Os pais e cuidadores devem assegurar que qualquer colete salva-vidas atenda aos requisitos de segurança. Os pais não devem usar braçadeiras infláveis, anéis de pescoço ou boias como coletes salva-vidas. Esses objetos podem esvaziar e não são projetados para manter os nadadores seguros;
  • Saltar ou mergulhar na água pode resultar em lesão espinhal. Os pais e as crianças devem conhecer a profundidade da água e a localização dos perigos subaquáticos antes de saltar ou mergulhar ou permitir que as crianças saltem ou mergulhem;
  • Ao selecionar um local de água aberto no qual seus filhos nadarão, os pais devem selecionar locais com salva-vidas e áreas designadas para nadar. Mesmo para os nadadores mais fortes, é importante considerar o clima, as marés, as ondas e as correntes de água na escolha de um local seguro para a natação recreativa. Os nadadores devem saber o que fazer em caso de correnteza – nadar onde houver um salva-vidas e, se for pego em correnteza, permanecer calmo e nadar para fora da costa paralelamente à correnteza (não tentar nadar contra a correnteza) ou pisar na água até que esteja seguramente fora da correnteza e seja capaz de retornar à costa ou pedir ajuda;
  • No caso de países onde o inverno é rigoroso, a AAP recomenda que pais e filhos devam reconhecer riscos de afogamento durante estações frias. As crianças devem abster-se de caminhar, patinar ou andar em gelo que esteja em finas camadas descongelando em qualquer massa de água.

A AAP recomenda que os pediatras: aconselhem as famílias de crianças com distúrbios convulsivos, TEA e arritmias cardíacas sobre seu maior risco de afogamento; aconselhem os adolescentes e seus pais sobre o aumento do risco de afogamento quando o álcool ou drogas ilícitas são consumidos durante passeios de barco ou natação; ajudem os pais e as crianças a terem uma discussão aberta sobre as habilidades da criança na água, não superestimando essa capacidade, e trabalhem para aumentar o acesso a programas de natação para crianças de famílias de baixa renda e e com déficits de desenvolvimento.

As recentes recomendações da AAP para prevenção de afogamento em crianças enfatizam o crucial papel do pediatra na prevenção do afogamento, aconselhando as famílias e trabalhando em suas comunidades para melhorar a segurança, especialmente em torno de piscinas, lagos e em comunidades náuticas.

Veja mais do especial de verão 2022:

Referências:

  1. RANZINI, P. C.; ZAMATARO, T. M. R. Acidentes por submersão. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Tratado de Pediatria. Rio de Janeiro: Manole. 4.ed. 2017. Volume 1. Cap.6. p.164-8.
  2. DENNY, S. et al. Prevention of Drowning (2019). Disponível em: www.aappublications.org/news. Acesso em: 19 de mar. 2019.
  3. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Afogamento está entre as principais causas de mortes acidentais de crianças no Brasil. (2018). Disponível em: https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/afogamento-esta-entre-as-principais-causas-de-mortes-acidentais-de-criancas-no-brasil/. Acesso em: 03 de abr. 2019.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão