Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Como rastrear coagulopatias em adolescentes com sangramento uterino?
sangue apresentando coagulopatias

Como rastrear coagulopatias em adolescentes com sangramento uterino?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Embora a menstruação possa ser irregular em adolescentes em função da imaturidade do eixo hipotálamo-hipofisário e dos ciclos anovulatórios, os ciclos geralmente ocorrem em intervalos de 21 a 45 dias e duram setes dias ou menos. É considerado sangramento menstrual intenso o sangramento excessivo que traz prejuízos à saúde física e emocional da mulher, interferindo na qualidade de vida. Esse tipo de sangramento em adolescentes pode ser um sentinela para coagulopatias.

O Committee Opinion de número 785 do American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) trata de como rastrear e manejar os distúrbios de coagulação em pacientes com sangramento uterino anormal. O ressalta a importância do trabalho em conjunto com hematologista para avaliação laboratorial e manejo clínico. Confira as principais recomendações sobre o rastreio.

1- História clínica

O rastreio é considerado positivo se a adolescente apresentar pelo menos um dos seguintes: duração da menstruação maior ou igual a sete dias e a paciente reportou encharcamento ou vazamento do absorvente em duas horas ou menos na maioria das menstruações; história de tratamento de anemia; história familiar positiva para distúrbio de coagulação ou história de sangramento importante.

2- Exame físico

Importante avaliar estabilidade hemodinâmica, procurar sinais de anemia, equimoses, petéquias. A palpação abdominal pode evidenciar massas ou visceromegalias (hepatoesplenomegalia). Se a paciente apresentar sangramento transvaginal, é importante se certificar de que o sangramento é compatível com o grau de maturação sexual (estágio 3 ou acima de Tanner) e não devido a outras causas, como trauma. O exame especular em geral não é necessário.

Leia também: Como manejar o sangramento uterino na emergência?

3- Exames de imagem

Causas estruturais de sangramento intenso em adolescentes são pouco frequentes, motivo pelo qual em geral não é necessário realizar exames de imagem da pelve de rotina (mas podem ser considerados em casos refratários ao tratamento clínico). O ultrassom pélvico transabdominal pode ser mais apropriado em pacientes adolescentes do que o transvaginal.

4- Laboratório

A avaliação laboratorial das pacientes com sangramento anormal e suspeita de coagulopatia deve incluir beta-hCG, hemograma com plaquetas, ferritina sérica, TSH, cogulograma, fibrinogênio, atividade e antígeno do fator de Von Willembrand e atividade do fator VIII. Se a paciente apresentar suspeita de síndrome dos ovários policísticos, pode-se considerar a dosagem de testosterona, SDHEA e prolactina.

É médico e quer escrever para o Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referência bibliográfica:

  • ACOG Committee Opinion 785 – setembro 2019 – Screening and Management of Bleeding Disorders in Adolescents with heavy menstrual bleeding.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.