Como são os desfechos gestacionais nas vasculites sistêmicas? - PEBMED

Como são os desfechos gestacionais nas vasculites sistêmicas?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

As vasculites sistêmicas são um grupo heterogêneo de doenças que cursam com inflamação vascular. Devido às recentes melhoras em termos de diagnóstico e tratamento, houve um aumento na expectativa de vida desses pacientes e um consequente aumento no interesse por questões ligadas à saúde reprodutiva de mulheres com tais doenças, especialmente com relação aos desfechos gestacionais.

O artigo escolhido para esta semana, publicado por Ross et al., traz uma revisão narrativa sobre o tema, reunindo dados sobre as mais diversas vasculites sistêmicas e seus desfechos gestacionais. Vou resumir os pontos mais importantes a seguir.

Gestante em consulta devido vasculites sistêmicas

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Vasculites sistêmicas: conceitos gerais

É sempre importante discutir o tema com pacientes com algum tipo de vasculite sistêmica. A gestação, idealmente, deve ser sempre programada: a paciente deve estar em remissão ou atividade mínima por, no mínimo, 6 meses antes da concepção, bem como deve estar utilizando medicações compatíveis com a concepção e gestação.

O seguimento deve ser frequente e o médico deve se lembrar que alguns parâmetros se alteram de maneira fisiológica na gestação (p.e., VHS se eleva, ocorre anemia dilucional, entre outros). Esse dado é fundamental na hora de interpretar possíveis quadros sugestivos de reativação da doença.

Os exames de imagem não devem ser atrasados, se clinicamente indicados. No entanto, deve-se ter cuidado, uma vez que o gadolíneo foi recentemente associado com o aumento do risco de perdas fetais e mortes neonatais. Deve-se sempre pesar o risco e benefício da propedêutica instituída.

Leia também: Doenças reumatológicas autoimunes e saúde reprodutiva

Efeitos da vasculite na gestação

  • Vasculites em atividade apresentam maiores taxas de perda gestacional (20-53% vs. 13% na população geral);
  • Hipertensão: ocorre em até 20% das gestações. No entanto, a arterite de Takayasu (TAK) apresenta maiores taxas de hipertensão e pré-eclâmpsia que as demais;
  • Diabetes mellitus gestacional: parece se correlacionar mais com o uso de corticoide do que com alguma doença específica;
  • Perdas gestacionais: mais frequentes, especialmente na doença de Behçet (DB), TAK e vasculites associadas ao ANCA (AAV), podendo atingir 34% das gestações (vs. 15-20% na população geral americana);
  • Baixo peso ao nascer: 10% das gestações, com maiores chances de o feto necessitar de terapia intensiva;
  • Crescimento intrauterino restrito: mais frequente em vasculites de pequeno calibre, acometendo até 30% das gestações;
  • Parto cesáreo: mais frequente, em até 50% dos casos, principalmente por indicação obstétrica.

Efeito da gestação na vasculite

Gestação não é tida como um fator de risco para desenvolvimento de vasculites, mas o diagnóstico pode acontecer em qualquer momento da assistência pré-natal/período puerperal. Alguns estudos sugerem que os desfechos gestacionais prévios em pacientes com vasculites não predizem desfechos gestacionais futuros.

Existe um registro prospectivo em curso (V-Preg) desde 2015. De acordo com resultados preliminares com 62 pacientes incluídas, 75% das pacientes estavam em remissão ou com baixa atividade no primeiro trimestre, sem relatos de perdas fetais.

  • Atividades de doença: acontecem em 20-40% dos casos, especialmente naqueles com mau controle da doença antes da concepção. No entanto, isso pode variar de acordo com o tipo de vasculite: DB parece melhorar durante a gestação, enquanto que as vasculites retinianas, de pequenos vasos e necrotizantes, apresentam maior risco de reativação durante a gestação;
  • Mortes maternas: raras (especialmente por atividade de doença), principalmente em pacientes com TAK, poliarterite nodosa (PAN) e AAV;
  • Puerpério/pós-parto: 20-40% de reativações até 3 meses após o parto. Parece ser mais frequente em pacientes com DB;
  • Evitar gestação: acometimento renal grave, insuficiência cardíaca, granulomatose eosinofílica com poliangiíte (EGPA) não controlada, hipertensão pulmonar grave e hipertensão arterial sistêmica descontrolada com acometimento renal.

Tratamento

É fundamental que as pacientes com vasculites sistêmicas estejam em bom controle da doença por, pelo menos, 6 meses antes da concepção. Além disso, as medicações em uso para manutenção da remissão da doença devem ser compatíveis com a concepção e gestação.

  • Medicações que podem ser utilizadas na gestação: corticoide (na menor dose possível), azatioprina, imunoglobulina humana, hidroxicloroquina, colchicina, ciclosporina e tacrolimo. De maneira geral, os anti-TNF podem ser utilizados no início da gestação, mas devem ser suspensos no terceiro trimestre (exceção: certolizumabe pode ser utilizado durante toda a gestação);
  • Medicações teratogênicas: metotrexato, leflunomida, micofenolato mofetil e ciclofosfamida.

Para detalhes com relação às medicações e seu manejo, vide nossos temas no Whitebook (Lúpus Eritematoso Sistêmico e Gestação; e Gestação e Artrite Reumatoide) e os guidelines atuais.

O uso do AAS na prevenção de pré-eclâmpsia é bem estabelecido em populações de alto risco não-selecionadas, porém seu papel nas vasculites sistêmicas ainda não está bem estabelecido. Devido ao risco aumentado de pré-eclâmpsia em pacientes com TAK, alguns autores advogam seu uso nesse contexto.

Veja mais: Vasculite ANCA-associada: uso de plasmaférese pode melhorar prognóstico?

Doenças específicas

O artigo original se encontra nas referências abaixo. Nele, sugiro que vejam a tabela que resume os principais desfechos gestacionais de 16 vasculites diferentes.

Dentre as vasculites sistêmicas, a DB apresenta um achado curioso que vale o comentário específico: a DB neonatal. Existem relatos na literatura de neonatos que desenvolvem úlceras orais ou genitais e manifestações cutâneas da DB no período neonatal, que podem persistir até 8 semanas após o nascimento. Normalmente os sintomas são leves e se resolvem espontaneamente. No entanto, já foram descritos casos de acometimento neurológico, vilite necrotizante, vasculite decidual e morte fetal. O mecanismo fisiopatogênico sugerido é o de transferência de anticorpos maternos para o feto.

Comentários

Trata-se de um artigo de revisão bastante completo, apesar das evidências limitadas nesse contexto.

Pacientes com vasculites sistêmicas devem ser consideradas de alto risco gestacional e, portanto, sua assistência pré-natal deve ser realizada por uma equipe multidisciplinar com expertise na área. O tratamento das reativações difere pouco do que é feito fora da gestação, mas atenção especial deve ser dada para que se utilize procedimentos diagnósticos e medicações que sejam compatíveis com o momento gestacional em questão, de modo a minimizar o risco de teratogênese e de complicações neonatais.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Ross C, D’Souza R, Pagnoux C. Pregnancy outcomes in systemic vasculitides. Current Rheumatol Rep. 2020;22:63.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar