Página Principal > Terapia Intensiva > Como tratar a glicose em um paciente com AVC? O papel do não-neurologista
médico escrevendo

Como tratar a glicose em um paciente com AVC? O papel do não-neurologista

Em geral, os guidelines sobre acidente vascular cerebral isquêmico enfatizam as orientações sobre o que fazer nas primeiras 24-48 horas, mas pouco se fala sobre o tratamento no restante da hospitalização. A revista US Neurology montou um artigo de revisão para discutir o controle da temperatura, pressão arterial e glicêmico nesses casos. Já falamos aqui sobre cuidados com a pressão e como manejar a temperatura, agora vamos abordar a glicose.

As diretrizes do American Heart Association/American Stroke Association (AHA/ASA) indicam que a glicemia alvo deve ser de 140 a 180 mg/dL, mas a publicação não fala especificamente de pacientes com AVC isquêmico. No entanto, as orientações reforçam os achados do estudo NICE-SUGAR (controle intensivo versus controle convencional de glicose em pacientes críticos), que demonstram que alvos de até 180 mg/dL diminuem a mortalidade em pacientes na UTI.

Outro estudo, o GIST-UK de 2007, analisou a diferença entre terapia com insulina contínua versus infusão salina nas primeiras 24 horas de hospitalização após um AVC. Os 933 participantes foram randomizados e os resultados não mostraram diferença nas taxas de óbito e nem no desfecho funcional de 90 dias. O intervalo alvo da glicose plasmática no grupo de intervenção foi de 80 – 145 mg/dL.

GRASP foi outro ensaio que analisou a insulina contínua em populações com AVC, e mostrou maior diferença na glicemia entre os grupos de tratamento, mas foi limitado pela falta de poder estatístico (apenas 74 pacientes inscritos). Ele envolveu três grupos: tratamento padrão (tratamento insulínico subcutâneo para a faixa de glicose alvo de 70 a 300 mg/dL), controle rígido (terapia contínua de insulina para o intervalo de 70 a 110 mg/dL) e controle livre (insulina contínua para um intervalo de 70 a 200 mg/dL).

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Do ponto de vista qualitativo, o GRASP demonstrou segurança relativa (isto é, evitar hipoglicemia grave) na implementação de terapia com insulina intravenosa no contexto de AVC agudo, mas ofereceu pouca orientação em relação aos benefícios relativos do controlo glicêmico rígido.

Há uma escassez de evidências para orientar as estratégias de manejo da glicose para pacientes com AVC isquêmico agudo com diabetes mal controlada, uma vez que esses pacientes ainda não foram bem representados nos estudos publicados.

Para os pacientes sem diabetes ou com diabetes bem controlada, os dados não suportam benefícios suficientes da insulina intravenosa para justificar o nível mais alto de cuidados necessários. Embora os pacientes com AVC isquêmico (diabéticos e não-diabéticos) normalmente se apresentam com hiperglicemia, a recomendação é que eles sejam monitorados de perto para evitar episódios hipoglicêmicos graves.

Referências:

  • Acute and Subacute Ischemic Stroke – A Review of Temperature, Blood Pressure and Glycemic Management. Shannon Hextrum, Barak Bar. US Neurology, 2016;12(2):105–9 (https://doi.org/10.17925/USN.2016.12.02.105)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.