Medicina de Família

Como utilizar a musicoterapia no tratamento da depressão?

Tempo de leitura: 2 min.

Usar a terapia com música é usar um artifício para manusear o cérebro sem tocá-lo. Seja música clássica, funk, rock, axé ou até mesmo música de ninar, não importa o gênero, quando a melodia entra pelos ouvidos é um turbilhão de estímulos que se propaga pelos neurônios cerebrais desencadeando reações e emoções, não sendo necessário estudos profundos para perceber os efeitos.

Musicoterapia na depressão

Em alta, manejar o tratamento de depressão requer todo tipo de ajuda, e a musicoterapia se encaixa perfeitamente no arsenal de estratégias na assistência ao paciente triste.

Mas não é simplesmente prescrever que escute a música preferida no rádio de casa que já não existe mais depressão. Se assim fosse, cantores não sofreriam. A terapia vai mais além dos padrões de compreensão consciente da pessoa em tratamento. Não é simplesmente ouvir uma playlist de sucesso, é necessário que as ondas sonoras sejam codificadas, decifradas e armazenadas pelo cérebro.

Portanto, devem ter padrões de frequências sonoras estudadas, harmonizadas e escolhidas para produzirem o efeito necessário em cada caso. Claro, sons e músicas aleatórias também conseguem fazer o efeito, principalmente os da natureza, mas é bem melhor direcionar o tratamento com a técnica terapêutica para um efeito final mais contundente.

Mais do autor: Precisamos dar atenção também aos cuidadores

Justamente, sem buscas prévias poucos saberão que os hertz, a energia do som, ao entrarem pelos ouvidos e atingirem os nervos auditivos desencadeiam sinapses na região do sistema límbico, área a qual é responsável pelas emoções, induzindo a liberação de endorfinas, hormônios que produzem sensações de prazer, satisfação e felicidade, o que efetivamente se encontra ausente ou diminuído dentro de um quadro depressivo.

Na terapia, esses Hertz acabam sendo reproduzidos após definição de intensidade com a interação profissional-paciente onde há percepção por ambos dos estados emocionais, servindo como pontes de comunicação pelas melodias, decifrando muitas vezes sentimentos que estão internalizados e com dificuldades de serem verbalizados, possibilitando assim resultados positivos surpreendentes.

Enfim, dentre várias alternativas de tratamento da depressão, vale a pena também usar a que está entre a escala de Sol e as escaladas por sorrisos. Ao lidar com depressões e tristezas, não tenha medo ou , não RElute, MIre adiante, FAça o SOL brilhar nos olhos amargurados, e SInta a vibração da vida!

Autor:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Henri Furtado Carneiro

Posts recentes

Imunobiológicos no tratamento da asma

A diferenciação entre as vias fisiopatológicas da asma é fundamental para utilização das drogas existentes,…

44 minutos atrás

Associação entre endometriose e risco de menopausa natural precoce

As repercussões sobre o tratamento da endometriose sobre a aceleração da menopausa ainda não tinham…

2 horas atrás

Terapia Nutricional Oral, Enteral e Parenteral: confira os principais pontos da nova Diretriz BRASPEN

Recentemente foi publicada mais uma atualização das Diretrizes Brasileiras de Terapia Nutricional (DITEN): a nova…

3 horas atrás

Duas doses da CoronaVac neutralizam ação da variante Ômicron? 

Um estudo tentou responder se duas doses da CoronaVac seriam capazes de neutralizar a variante…

4 horas atrás

Procedimentos Ortopédicos: condutas para a cirurgia

Ei, temos novidade no Whitebook! O aplicativo passou a ter conteúdos de Procedimentos Ortopédicos. Já…

18 horas atrás

No dia a dia da Emergência, como diferenciar as conjuntivites?

As conjuntivites ou olho vermelho são uma apresentação de várias doenças oftalmológicas. Veja como diferenciar.

20 horas atrás