Complexo protrombínico é melhor que plasma para sangramento em cirurgia cardíaca?     

Foi publicado no último mês um estudo piloto comparando complexo protrombínico com plasma fresco em pacientes submetidos a cirurgia cardíaca.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O plasma fresco (PF) contém todos os fatores pró-coagulantes e anticoagulantes presentes no sangue e é utilizado em aproximadamente 15% das cirurgias cardíacas. Neste tipo de procedimento, ocorrem alterações que resultam em depleção dos fatores de coagulação, o que pode prejudicar a formação de trombina e levar a sangramento importante. O complexo protrombínico (CP) contém os fatores dependentes da vitamina K (II, IV, IX, X), as proteínas C e S e pequenas quantidade de heparina e tem alguns benefícios em relação ao plasma: menor chance de contaminação, menor risco de lesão pulmonar aguda, necessidade de menor volume para atingir a dose equivalente de PF e maior geração de trombina. Porém, pode ser menos eficaz em restaurar a hemostasia e ter risco maior de trombose.

Leia também: Adicionar ticagrelor ao AAS em paciente em pós-operatório de cirurgia cardíaca não tem benefício

Foi publicado no último mês um estudo piloto comparando CP com PF em pacientes submetidos a cirurgia cardíaca que tiveram sangramento com necessidade de transfusão de fatores de coagulação. O objetivo foi avaliar se quem recebeu CP necessitou de PF após, comparar efeitos hemostáticos e segurança dos dois tratamentos e avaliar a viabilidade de um estudo maior.

Complexo protrombínico é melhor que plasma para sangramento em cirurgia cardíaca?     

Características do estudo

Foi um estudo randomizado 1:1. Um grupo recebeu complexo protrombínico e outro plasma fresco em doses que dependiam do peso do paciente. O estudo era cego até o momento em que o paciente recebia o tratamento, pois como esses dois componentes tem propriedades físicas diferentes, não era possível que o médico responsável no momento não soubesse qual era o componente que o paciente estava recebendo.

Resultados

Foram avaliados 101 pacientes no período de setembro de 2019 a junho de 2020, em dois centros no Canadá, sendo 54 no grupo CP e 47 no grupo PF. A idade média dos pacientes era 64 anos, 28% eram do sexo feminino e 81% foram submetidos a cirurgias complexas. Os dois grupos tinham características de base semelhantes. Não houve diferença no tempo para a administração do CP ou PF (1,0 hora x 1,2 horas). No grupo CP, 9,3% dos pacientes receberam 2 doses de CP e 3,7% PF após o CP. No grupo PF, 19,1% recebeu duas doses de PF.

A gravidade dos sangramentos e os desfechos da terapia hemostática (necessidade de nova transfusão em 4 e 24 horas) foram numericamente menores no grupo CP, porém sem diferença estatística. O total individual e cumulativo de componentes transfundidos (hemácias, plasma e plaquetas), também foi menor no grupo CP, com diferença estatística na análise de 24 horas: necessidade de transfusão no grupo CP 42% menor, principalmente às custas de PF (95% menos transfusão, com p < 0,001), seguido de hemácias (31% menor, com p = 0,05).

Saiba mais: ERAS: guideline traz recomendações para cirurgia cardíaca

A quantidade de sangue no dreno de tórax também foi menor no grupo CP, tanto em 12 horas (310 ml x 500 ml, p < 0,001) quanto em 24 horas (450 ml x 700 ml, p < 0,001). Não houve reação transfusional em nenhum dos grupos e os eventos adversos foram semelhantes, assim como tempo de ventilação mecânica e dias de internação.

Conclusão

O uso de CP pode ter benefícios em relação ao PF no perioperatório de cirurgia cardíaca, o que já foi confirmado em outros contextos, como na intoxicação cumarínica. A redução da necessidade de transfusão e suas possíveis complicações, além da redução da quantidade de sangramento no pós-operatório imediato da cirurgia cardíaca tem grandes benefícios para o paciente, com menor risco de reação transfusional e menor sobrecarga de volume. Este estudo inicial mostrou haver segurança para uso do CP neste contexto, sem aumento de possíveis efeitos colaterais, como a trombose. Mais estudos, com maior quantidade de pacientes, são necessários para confirmar esses achados.

Referências bibliográficas:

  • Karkouti K, et al. Comparison of 4-Factor Prothrombin Complex Concentrate With Frozen Plasma for Management of Hemorrhage During and After Cardiac Surgery. JAMA Network Open. 2021;4(4):e213936. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.3936
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão