Pebmed

Cadastre-se grátis
Home / Medicina de Estilo de Vida / Conheça as 7 habilidades essenciais do médico ideal

Conheça as 7 habilidades essenciais do médico ideal

Tempo de leitura: 2 minutos.

No artigo a seguir, vamos falar quais são as principais habilidades que o médico precisa possuir para ser bem-sucedido na profissão. É claro que ter todas essas habilidades é o sonho de todos nós, mas continuamos a aprender diariamente e a buscar melhorar constantemente. A chance de uma carreira sólida e relevante para a sociedade é grande com esses pilares.

Confira a lista completa:

  1. Comunicação. A forma como o médico transmite a informação é tão importante quanto a informação em si. Devemos escutar mais as necessidades individuais de cada paciente e nos comunicarmos melhor, isso reduz muito os atritos e eventuais questionamentos e processos;
  2. Empatia. É a capacidade “de se colocar no lugar do outro” e entender o que a pessoa sente… “e se fosse comigo? E se fosse com alguém da minha família?”
  3. Paixão. É preciso “gostar do que fazemos” e gostar de gente, de ajudar pessoas. Os pacientes percebem isso. Mas está difícil manter essa paixão com condições tão precárias, tanta burocracia e baixa remuneração;
  4. Franqueza: Os pacientes (e seus familiares) conseguem tomar melhores decisões que afetam sua saúde e bem-estar quando tem informações em linguagem clara;
  5. Profissionalismo/Respeito. Atuar com competência sempre com linguagem simples e conduta apropriada, para que o paciente se sinta tratado como indivíduo único – e não um qualquer – não sentindo-se inferiorizado;
  6. Conhecimento/Curiosidade. Estudar sempre. Manter o espírito de cientista, usando as melhores evidências disponíveis. Mais do que nossas credenciais e do que ser conhecido entre “nosso pares”, o paciente quer saber se temos competência para atender suas necessidades e que sejamos humildes o suficiente para dizer “que não sabemos tudo”, mostrar interesse pelo caso ou discutir com outros especialistas;
  7. Detalhismo. Um erro, uma falha pode ser devastador, portanto devemos estar atentos aos detalhes, aos protocolos, documentar tudo e sempre que possível revisar as condutas. Isso no dia a dia também ajuda o paciente a ter um roteiro adequado de seu tratamento, exames e seguimento, reduzindo tempo e desperdício de recursos.

Somos seres humanos, falhamos, temos dias bons e dias ruins. Sempre estamos sendo surpreendidos pelos pacientes, pelos casos, pelas evoluções.
Também exigimos respeito por parte dos pacientes, familiares, patrões, gestores.

Leia maisGestão de tempo e burnout: como isso afeta o cotidiano médico?

Temos famílias, temos problemas, temos que comer, dormir, descansar, passear, viajar, cuidar da saúde…mas ainda temos um prazer enorme em cuidar das pessoas. Mas exigimos remuneração digna pelo nosso trabalho.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.