Página Principal > Oftalmologia > Conjuntivite X uveíte: como diferenciar
conjuntivite

Conjuntivite X uveíte: como diferenciar

Tempo de leitura: 2 minutos.

Sintomas comuns como vermelhidão, dor nos olhos e sensibilidade à luz podem gerar um diagnóstico errado de conjuntivite, doença caracterizada pela inflamação da conjuntiva, causada por agentes tóxicos, alergias, bactérias ou vírus. Isso porque esses mesmos sintomas podem caracterizar a presença de uma uveíte, caracterizada pela inflamação da úvea (constituída pelo conjunto da íris, membrana coroide e pelos processos ciliares), com diferentes causas e que, se não diagnosticada e tratada a tempo, pode afetar a visão para sempre.

“A principal diferença entre as duas enfermidades é o local exato da sua manifestação. Enquanto a uveíte se manifesta (na maioria das vezes) dentro do olho, a conjuntivite se concentra sempre na área externa, chamada de conjuntiva”, diferencia o oftalmologista Haroldo Vieira de Moraes Jr., chefe do setor de Uveítes do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da UFRJ (HUCFF/UFRJ).

Sintomas da uveíte

  • Sensibilidade à luz (fotofobia);
  • Olho vermelho (hiperemia);
  • Dor no olho;
  • Eventualmente, pode acontecer algum déficit visual.

Principais causas

A toxoplasmose, a sífilis, a tuberculose e até mesmo as doenças autoimunes estão entre as principais causas no país da uveíte. “Estudos apontam que pessoas imunodeprimidas (por doença ou medicamentos) e com grande carga de estresse emocional podem ser mais susceptíveis. Condições socioeconômicas desfavoráveis também podem contribuir para o aparecimento de doenças infectocontagiosas que causem a uveíte”, esclarece Haroldo Vieira de Moraes Jr., que também é membro titular da Sociedade Brasileira de Oftalmologia.

Diagnóstico correto

Para diagnosticar corretamente a uveíte, os médicos oftalmologistas devem realizar um exame oftalmológico especializado, com a ajuda de exames complementares, como exames de sangue e de imagem, com aparelhos que observam o fundo de olho e até testes oftalmológicos mais refinados.

Leia maisComo é a abordagem da conjuntivite na atenção primária?

Ao contrário da conjuntivite, a uveíte não é contagiosa, mas também pode voltar na forma crônica. Por isso, é fundamental que os médicos alertem os seus pacientes para o risco de uma automedicação, pois somente um exame clínico especializado pode diferenciar um caso do outro.

Tratamento

“Quando identificado o agente causal, utiliza-se uma medicação específica. Quando não é identificado, podemos usar uma medicação anti-inflamatória potente, podendo chegar até aos modernos imunomoduladores”, indica o especialista.

Recentemente, foi incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS) um remédio para uveíte chamado Adalimumabe, que atua diminuindo a autoagressão causada em doenças autoimunes, ao não reconhecer partes do próprio corpo como suas.
Riscos

Sem o tratamento correto, a uveíte pode avançar e provocar complicações sérias. Ela pode dar passagem para o aparecimento da catarata e do glaucoma, por exemplo, ou ainda alterar a anatomia do olho, o que também acarreta em perda da visão.

“Por ser considerada uma doença negligenciada e com alta capacidade de cegueira, necessitamos de maiores recursos para formação de pessoal especializado e de centros de referência para prevenção de cegueira, tanto para a divulgação das informações quanto para o tratamento adequado e a tempo, pois a uveíte atinge todas as faixas etárias, em especial a faixa produtiva, gerando incapacidade funcional e alto custo psicológico-familiar e para a sociedade”, alerta Haroldo Vieira de Moraes Jr.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.