Página Principal > Colunistas > Conselhos para conseguir um estágio fora do país
asa de uma avião no ar

Conselhos para conseguir um estágio fora do país

Tempo de leitura: 2 minutos.

A ideia de um período de estágio em algum hospital fora do país sempre permeia o pensamento de médicos e acadêmicos de medicina. Pensamento esse tido como utópico pela maioria de nós, na verdade, é algo acessível e palpável, necessitando apenas de organização e disciplina.

Primeiramente, é necessário para uma experiência desse tipo que algum profissional disponibilize o serviço para você e, acredite, essa pessoa existe e também está a sua procura. A maioria dos serviços no exterior também está a procura deste tipo de experiência, eles acreditam que recebendo algum colega o ganho seja mútuo, além do incentivo, é claro.

Obviamente que se você quiser mais do que somente um curto período de experiência, como um eletivo de internato ou Residência, você precisa revalidar seu diploma e prestar prova para se tornar residente lá fora, são os famosos “steps”.

“Steps” é o concurso de Residência Médica estadunidense que se define em um prova a cada dois anos da faculdade de medicina, totalizando três exames. Lembrando que os EUA é disparado o país mais procurado entre os médicos recém-formados, mas certamente não é o único destino possível.

Veja também: ’10 conselhos para uma boa Residência’

É importante lembrar que, independente do destino ou do período escolhido, estar atento aos hábitos culturais do locais é algo imprescindível, além, é claro, do domínio da língua local. Você deve ser capaz de compreender e ser compreendido, facilmente e rapidamente, sem deixar de lado o vocabulário técnico.

Uma oportunidade desse tipo agrega não só conhecimento teórico prático de boa qualidade a sua formação, como também permite o seu desenvolvimento como estudante ou residente de um serviço, membro de uma equipe, além de ser não só uma experiência acadêmica ou profissional, mas também uma outra maneira de amadurecimento e experiência de vida.

Talvez nosso maior obstáculo seja mesmo o nosso “achismo” de que não conseguiremos uma experiência desse tipo ou então que não seríamos bem recebidos, porém quando se têm vontade de aprender e comprometimento, não há serviço que não abra as portas para você aprender!

No vídeo abaixo, você pode conferir meu bate-papo no PEBMED Entrevista com Bruno Lagoeiro e ver alguns conselhos para colocar essa ideia em prática!

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.